Barcos abandonados na Redinha podem abrigar a “zica marinheiro”

Airton Bulhões,

barco-m  O estuário do rio Potengi na parte da Redinha tem barcos abandonados que podem servir de criadouros dos mosquitos “aedes aegypti” “chikungunya” “zika”. A guerra do governo contra esse trio de insetos não pode se restringir apenas a terrenos abandonados, panelas, pneus e casarões, barcos como esses podem ter em seus porões criadouros.

  A  quem recorrer para retirar esses barcos da Redinha ? Quem são os proprietários que abandonaram essas velharias? É uma situação complicada, a Marinha pode tirar esses barcos?  Os órgãos o que podem fazer é localizar os proprietários e multa-los a exemplo do que será feito com os proprietários do hotel  Reis Magos na praia do Meio.

   Enquanto isso os hospitais estão lotados de pessoas acometidas com sintomas dessa doença ou suspeitos. A vigilância sanitária não pode deixar passar em branco, pelo menos fazer no mínimo uma inspeção nos barcos. Os moradores da Redinha correm risco de serem infectados, caso existam criadouros nos barcos.


Tags: Barcos abandonados na Redinha podem abrigar a “zica marinheiro”
A+ A-