Concursos para médicos no Brasil oferecem baixa remuneração

Airton Bulhões,

     Segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM) sobre os concursos públicos para contratação de médicos indica que, em média, o valor oferecido por prefeituras de todo o País representa menos da metade do que é referenciado pela categoria.

  Atualmente, o piso pleiteado é de R$ 14.134,58 para 20 horas semanais de trabalho. Segundo os editais lançados no primeiro semestre de 2018, no entanto, a média de salários oferecidos foi de R$ 5.520,73 para essa jornada.

  Entre os 441 concursos analisados pelo CFM, que totalizam pouco mais de cinco mil vagas e cadastros reserva, somente quatro oferecem salários cujo valor por hora supera o piso nacional - dois no Paraná, um em Minas Gerais e um no Amazonas. Quando se avalia a remuneração inicial média por estado, no entanto, nenhum deles alcança o piso sugerido pela categoria.

  Com 37% das vagas oferecidas em concursos abertos neste ano, o Nordeste possui a menor média salarial dentre as regiões brasileiras. Para jornadas semanais de 20 horas, os concursos na região oferecem salário inicial médio inferior a R$ 4 mil. Aos que concorreram às vagas de 40 horas, a remuneração média foi de R$ 6,6 mil.j2p5cqG.jpg

  Já no Sudeste, onde se concentra quase um terço das vagas abertas no período, o vencimento médio girou em torno de R$ 4 mil (20 horas por semana) e R$ 8 mil (40 horas). O Norte reúne o menor volume de vagas, apenas 4%, para as quais foram oferecidos valores médios de R$ 4,6 mil (20 horas) e R$ 10,2 mil (40 horas).

  As regiões Sul e Centro-Oeste registraram médias salariais acima da nacional, com vencimentos de R$ 6.278,24 e R$ 7.108,68 por 20 horas semanais, respectivamente. Aos interessados em assumir postos que exigem o dobro dessa carga horária nestas regiões, a oferta média foi de R$ 11,5 mil no Sul e R$ 11,1 mil no Centro-Oeste. Quase 500 vagas estavam disponíveis em concursos de abrangência nacional, como os da Marinha do Brasil, Polícia Federal e Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh).

SAIBA MAIS

 De acordo com o presidente do CFM, Carlos Vital, os problemas que afetam o sistema público devem ser solucionados pelos gestores do SUS. Na sua avaliação, a criação de uma carreira de Estado para o médico seria uma dessas soluções. "A implantação efetiva dessa proposta, que está pronta para ser votada na Câmara dos Deputados, beneficia os médicos, a população e os gestores", ressaltou Carlos Vital.


A+ A-