Criação de novos negócios no RN em 2016 foi abatido pela crise

Airton Bulhões,

  Vamos passar uma borracha em 2016, foi ruim em tudo. A crise econômica teve reflexos em vários setores da economia nacional: geração de novas empresas, desemprego, queda de produção industrial, salários congelados, tudo de ruim que um governo pode herdar de desmandos administrativos explodiu o ano passado.

  Para mostrar como a coisa andou braba vamos se fixar na criação de novas empresas no Rio Grande do Norte.

  No ano passado, o número de formalizações na categoria de Microempreendedor Individual (MEI), que reúne os empreendimentos com faturamento anual bruto de até R$ 60 mil, foi 15,6% menor que o registrado em 2015. No total, foram criados 11.897 novos negócios no estado ao longo dos últimos 12 meses, 1.856 empresas a menos que no ano anterior.

 

  Desde a aprovação da lei que criou a figura jurídica do MEI, 88.161 mil empreendedores potiguares optaram pela formalização.

  Segundo a Receita Federal, no ano passado, a capital potiguar foi responsável por registrar a maior quantidade de negócios criados nessa categoria. Em um ano, o número de empresas enquadradas como MEI em Natal passou de 26.969 para 31.357 negócios.

  Parnamirim teve o segundo maior quantitativo de empresas abertas no período: 1.363 empresas, chegando a 8.369 negócios registrados. As formalizações chegaram a 883 em Mossoró, totalizando 7821 negócios, e a 236 empresas em Caicó, que hoje conta com 2.324 empreendimentos caracterizados como MEI.

SAIBA MAIS

  Nem tudo está perdido, nos primeiros dias de janeiro, o Sebrae-RN registrou um aumento no número de empreendedores interessados na abertura de negócios  e buscaram a instituição para orientação técnica.

  Até esta terça-feira (10), foram realizados 380 atendimentos, sendo que foram realizadas 14 formalizações, 71 pessoas interessadas em obter mais informações sobre o enquadramento como MEI e outras 45 orientações sobre potencial abertura de negócio.


Tags: bulhoes empresa senac
A+ A-