Celso Rocha de Barros na Folha: Os Bolsonaristas querem dar um golpe

Diógenes Dantas,
Fabio Motta/AE
"Plano dos bolsonaristas é pegar a sua raiva contra tudo que está aí e apontá-la contra a democracia", opina Barros sobre Bolsonaro e Mourão.

O texto a seguir, do doutor em sociologia pela Universidade de Oxford (Inglaterra), Celso Rocha de Barros, nos causa inquietação:

Bom, é isso, amigo. Se você quiser eleger Bolsonaro, aproveite, porque deve ser seu último voto. Depois da última semana, não há mais dúvida de que o plano dos bolsonaristas é dar um golpe. Golpe mesmo, golpe raiz, não esses golpes Nutella de hoje em dia. 

Sejamos honestos, nunca houve motivo para suspeitar que Jair Bolsonaro fosse um democrata.

Nunca vi uma entrevista em que Bolsonaro prometesse reconhecer o resultado da eleição em caso de derrota. O que vi várias vezes foi discurso picareta sobre urnas eletrônicas. 

Bolsonaro defendeu a ampliação do número de membros do Supremo Tribunal Federal, o que é a página 2 do manual do ditador. Chávez fez, a ditadura militar fez, todo ditador faz. Afinal, a Constituição é o que o Supremo disser que é: se você encher o Supremo de puxa-sacos, a Constituição passa a ser o que você quiser. Daí em diante, você é ditador.

Bolsonaro escolheu como companheiro de chapa Hamilton Mourão. Em entrevista recente à GloboNews, Mourão defendeu que o presidente da República (qualquer presidente? Um eventual presidente Boulos?) tem o direito de dar um "autogolpe" se perceber que há uma situação de anarquia.

Na verdade, ninguém tem mais condições de criar anarquia do que o próprio presidente da República. Por esse motivo, nenhum país sensato deixa que o presidente vire ditador se achar que há anarquia demais.

O mesmo Mourão agora defendeu que se faça uma nova Constituição sem essa frescura de envolver gente eleita pela população.

A Constituição seria feita por uma comissão de notáveis; "notável" é como ditador chama os próprios puxa-sacos.

Segundo o plano de Mourão, essa Constituição depois teria que ser aprovada por referendo. Nada contra referendos, mas, se você segue o noticiário sobre a Venezuela, já viu para onde isso vai. Quando fizerem o referendo, a oposição já vai ter sido atacada e enfraquecida, e a população vai votar com medo. É a página 3 do manual do ditador.

Enfim, é isso. Se você for a favor disso tudo, vote no Bolsonaro. Se não for, vote em outra pessoa.

Resta perguntar: como chegamos no ponto em que a proposta de matar a democracia lidera as pesquisas com cerca de um quarto das intenções de voto?

Nos últimos anos, a opinião pública brasileira ganhou muito poder. A Lava Jato mostrou à população que a corrupção era generalizada. As redes sociais tornaram possível expressar essa indignação com ferocidade.

O lado bom disso tudo é evidente. Políticos têm mesmo que viver meio assustados com a população.

O lado ruim é que não tem sido fácil governar o país, porque o momento exige que se faça muita coisa que é impopular.

O plano dos bolsonaristas é pegar a sua raiva contra tudo que está aí e apontá-la contra a democracia. Sem democracia, governar volta a ser fácil, porque o governo nunca mais vai ter que se importar com você ou sua rede social.

Esse truque está na página 1 do manual do ditador. E quando você não puder mais reclamar, não puder mais fazer impeachment, não puder mais xingar no Facebook ou fazer passeata, aí entra em cena Paulo Guedes com seu programa de ajuste muito mais radical do que o de qualquer outro candidato. E aí, pode ter certeza, você não vai ter dinheiro para comprar arma nenhuma, mesmo se as lojas já puderem vendê-las.

Celso Rocha de Barros

Servidor federal, é doutor em sociologia pela Universidade de Oxford (Inglaterra).

* Texto publicado na Folha de São Paulo nesta segunda-feira (17).


Rede Sustentabilidade decide situação do Capitão Styvenson nesta quinta-feira

Diógenes Dantas,
Fladson Soares/Nominuto
Freitas Júnior, da Rede Sustentabilidade, confirmou as inquietações com Styvenson, mas acredita que há espaço para o diálogo e entendimento.

A Rede Sustentabilidade vai decidir nesta quinta-feira (6) se mantém a candidatura do Capitão Styvenson ao Senado.

A legenda anda insatisfeita com a falta de compromisso do militar com a construção coletiva da Rede.

Hoje (5), na Band, o candidato ao governo pela Rede, Freitas Júnior, confirmou as inquietações com Styvenson, mas acredita que há espaço para o diálogo e entendimento.

Freitas explicou que o militar optou pela candidatura cidadã: “uma inovação política que permite a qualquer cidadão, membros de movimentos de renovação política, partidos sem registro na justiça eleitoral e figuras com atuação destacada na sociedade possam disputar um pleito eleitoral sem possuir militância partidária orgânica”, conforme nota da Rede.

Segundo Freitas Júnior, isso não significa que o Capitão Styvenson não possua “vínculo programático com o partido”.

Styvenson, que lidera as pesquisas para o Senado, chegou a declarar após a convenção da Rede: “Político que aparecer ai falando que tá comigo é mentira, viu? Eu não tô com ninguém, eu tô só”.

Veja a seguir minha entrevista com Freitas Júnior, porta-voz e candidato ao governo pela Rede:



DD.


Carlos Eduardo amava Robinson que amava Fátima Bezerra

Diógenes Dantas,
Reprodução/Charge
Toda essa gente já se aliou: Carlos Eduardo já foi aliado de Robinson que foi aliado de Fátima, que foi aliada de Carlos Eduardo.

Nestes primeiros dias de campanha eleitoral na TV e no rádio, incluindo as redes sociais, uma coisa tem chamado a atenção do eleitor potiguar.

Robinson Faria fala mal de Carlos Eduardo que fala mal de Fátima Bezerra, que fala mal de Robinson que fala mal de Fátima, que fala mal de Carlos Eduardo.

Me lembrou a Quadrilha de Carlos Drummond de Andrade [Quadrilha, o poema, gente. Por favor não confundir com outra coisa].

O poema de Drummond diz assim:

João amava Teresa que amava Raimundo/
Que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili/
Que não amava ninguém//


Aqui, poderíamos adaptar e declamar:

Carlos Eduardo amava Robinson que amava Fátima/
Que amava Garibaldi que amava Geraldo que amava José Agripino/
Que não amava ninguém do PT//


Antes da pegação hoje no horário eleitoral, toda essa gente já se aliou em algum momento da carreira política.

Carlos Eduardo já foi aliado de Robinson que foi aliado de Fátima, que foi aliada de Carlos Eduardo.

O povo não esquece a Quadrilha de Drummond, nem as do mundo político.



DD.


Vem aí o Dia Estadual da Educação Cidadã

Diógenes Dantas,
Fladson Soares/Nominuto
Lígia Limeira, coautora e coordenadora do Setembro Cidadão, destaca ações e obras do do Programa Brasileiro de Educação Cidadã.

Mês de setembro é tempo de discutir a cidadania. Acima de tudo em ano eleitoral.

Hoje (4) eu conversei com a advogada Lígia Limeira, coautora e coordenadora do Setembro Cidadão, iniciativa do Programa Brasileiro de Educação Cidadã (Probec).

No próximo dia 10, o Rio Grande do Norte comemora o Dia Estadual da Educação Cidadã, data criada em lei aprovada na Assembleia Legislativa.

O projeto conta com pelo menos 3 obras: Manual Prático das Eleições, Cidadania A-Z e Família Cidadã e as Eleições.

Acompanhe minha entrevista com Lígia Limeira no RN Acontece:



DD.


Marina diz que pode governar sem a política do "toma lá, dá cá"

Diógenes Dantas,
Reprodução/Sabatina da Folha
Marina repisou combate à corrupção, investimento em educação, melhorias no SUS e ampliação da rede de saneamento básico.

Hoje (4) a presidenciável Marina Silva (Rede) participou da sabatina promovida pela Folha em parceria com o UOL e o SBT.

Marina foi indagada também sobre o modelo de governabilidade que propõe, avesso ao que ela chama de toma lá, dá cá que impera hoje na relação entre o Planalto e o Congresso. Ela reagiu a perguntas que colocaram em xeque o sistema de presidencialismo de proposição defendido por ela, que seria baseado em acordos de programa, e não em troca de favores.

"Essa lógica do toma lá, dá cá não pode ser naturalizada. Não dá para cair na armadilha de que ou você se rende ao centrão ou você não vai conseguir governar. Não podemos nos conformar com isso", disse.

A presidenciável da Rede criticou 'promessômetro' de rivais e 'guerra santa’.

Marina disse que é difícil fazer política com ponderação e defendeu Estado laico.

Veja o conteúdo da sabatina promovida por UOL, Folha e SBT, nos estúdios do UOL, em São Paulo.



DD.


RN tem seis UPAS prontas sem funcionar

Diógenes Dantas,
Reprodução/TV Globo
Desperdício: As UPAS foram construídas e estão sem funcionar em Pau dos Ferros, Caicó, Santa Cruz, Lajes, Santo Antônio e Macau.

A saúde, ao lado da segurança pública, está entre os temas de maior preocupação dos brasileiros. Em especial, entre as mulheres, que são mães, donas de casa, trabalhadoras e que, de alguma forma, cuidam de pessoas.

Nesses tempos de campanha eleitoral, as promessas de maior investimento na saúde pública saem da boca dos políticos com muita facilidade. Muita coisa fica só no discurso oportunista de caça ao voto.

Quer saber de uma coisa? Quer saber de um mau exemplo na área da saúde?

O Rio Grande do Norte tem seis UPAs prontas sem funcionar, fechadas. A informação foi destaque na edição de domingo na Tribuna do Norte.

As UPAS (Unidades de Pronto Atendimento), programa do governo federal, foram construídas e estão sem funcionar em Pau dos Ferros, Caicó, Santa Cruz, Lajes, Santo Antônio e Macau.

Foram investidos quase 12 milhões de reais em recursos federais. Dinheiro público jogado fora.

São unidades que poderiam atender diariamente de 150 a 350 pacientes. Se fossem bem utilizadas, poderiam acabar com a chamada "ambulancioterapia" que lota os hospitais regionais, principalmente os da capital do Estado.

Os prefeitos das referidas cidades alegam não ter dinheiro para equipamentos, profissionais da saúde e manutenção das unidades.

Por que as prefeituras assinaram convênios com o governo federal para construir UPAS?

Os atuais gestores colocam a culpa nos antecessores, considerados irresponsáveis na hora em que assumiram os compromissos.

O custo mensal de uma UPA varia de R$ 400 mil a R$ 1 milhão de reais, dependendo do porte.

O Ministério Público Federal está investigando mais um descaso com as verbas públicas.

Neste caso, há uma claro exemplo de má gestão, de total desperdício.

Lembrei de um político que certa vez me disse em Brasília: "cerca de 40% do PIB brasileiro se perde em três ralos: desperdício, má gestão e corrupção".

Às vezes, as três coisas estão no mesmo sorvedouro.



DD.


Mais RN terá observatório

Diógenes Dantas,
Fladson Soares/Nominuto
Amaro Sales, presidente da Fiern, criou o Observatório do Mais RN para fazer um mapeamento de tudo o que for feito pelo próximo governante.

A Federação das Indústrias atualizou o projeto Mais RN, um dos documentos mais completos sobre o desenvolvimento econômico do Estado, e entregou a cada um dos candidatos ao governo.

Amaro Sales, presidente da Fiern, criou o Observatório do Mais RN para fazer um mapeamento de tudo o que for feito pelo próximo governante. 

“Por intermédio dessa ferramenta, a sociedade vai poder cobrar do governador eleito a implementação das ações propostas. Serão 17 áreas a serem acompanhadas, 44 metas indicativas e 180 ações para quatro anos”, disse.

Veja a seguir minha conversa com Amaro Sales no RN Acontece:


DD.


Ciro diz que não é da "esquerdinha boboca que fica alisando bandido"

Diógenes Dantas,
Reprodução/Sabatina da Folha
Ciro Gomes, presidenciável do PDT, disse que mandará prender empresários que estiverem praticando locaute em meio a greves.

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) abriu hoje (3) a série de sabatinas promovidas pela Folha em parceria com o UOL e o SBT.

Ciro disse que não faz parte “dessa esquerdinha boboca que fica alisando bandido” e que mandará prender empresários que estiverem praticando locaute em meio a greves. 

A ordem das sabatinas foi definida em sorteio. Na terça (4), será a vez de Marina Silva (Rede). Na quarta (5), o espaço está reservado ao PT, cujo candidato, Luiz Inácio Lula da Silva, está preso em Curitiba.

Na sequência, será sabatinado o candidato Guilherme Boulos (PSOL), no dia 6, e, entre os dias 10 e 14, os presidenciáveis Álvaro Dias (Podemos), Geraldo Alckmin (PSDB), Cabo Daciolo (Patriota), Henrique Meirelles (MDB) e Jair Bolsonaro (PSL).

Veja o conteúdo da sabatina promovida pela Folha em parceria com o UOL e o SBT com Ciro Gomes:



DD.


Setembro Dourado alerta para o diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil

Diógenes Dantas,
Gerlane Lima/Nominuto.com
Rilder Campos, presidente da Casa Durval Paiva e da Confederação Nacional das Instituições de Apoio à Criança com Câncer, divulga o Setembro Dourado.

Já estamos vivendo o Setembro Dourado, movimento de alerta para o diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), são mais de 12 mil novos casos de câncer infantil no país por ano, dos quais 150 casos comente no Rio Grande do Norte. 

Com o diagnóstico precoce, cerca de 80% dos pacientes são tratados adequadamente com a doença ainda no início. 

Eu conversei hoje (3) com o presidente da Casa Durval Paiva e da Confederação Nacional das Instituições de Apoio à Assistência à Criança e ao Adolescente com Câncer (CONIACC), Rilder Campos.



DD.


Fátima ainda não bateu no teto

Diógenes Dantas,

fatima_carreata_370A pesquisa “Retratos da Sociedade Potiguar”, do instituto Certus em parceria com a Federação das Indústrias, mostra algumas tendências.

Para o governo, Fátima Bezerra ainda cresce nas intenções de voto, rompendo a barreira 30% na pergunta estimulada.

No voto espontâneo, ela dobra o porcentual de citações. Uma boa notícia para os petistas. A meu ver, Fátima ainda não bateu no teto das preferências.

Dá para ganhar no primeiro turno? Ainda não é possível vislumbrar isso, mas há quem se anime com a possibilidade no entorno da campanha do PT.

Carlos Eduardo Alves se manteve estável no segundo lugar da série de pesquisas da Certus. Obteve o mesmo porcentual de julho. Essa aparente estagnação do ex-prefeito de Natal em agosto acendeu o sinal de alerta na campanha do pedetista.

Já Robinson Faria registrou um pequeno crescimento na comparação dos números de julho e agosto. Mas cresceu. É o que importa para os governistas.
Outros levantamentos já apresentam números mais auspiciosos para governador em candidatura à reeleição. 

O problema de Robinson está no quesito rejeição. Ele tem o triplo dos porcentuais de Carlos Eduardo e de Fátima Bezerra.

No que diz respeito ao Senado, Capitão Styvenson, o cavaleiro solitário da Rede, se consolida na disputa, e caminha fortemente para ficar com uma das vagas. Por pequena margem nas intenções de voto, ele já supera Garibaldi Filho.

O segundo lugar de Garibaldi é ameaçado por duas candidaturas: Zenaide Maia, que recuperou o fôlego, e Geraldo Melo.

Geraldo me dizia há um tempinho atrás que se o capitão crescesse na pesquisas, ele seria o principal prejudicado.

Parece que o ex-senador tinha razão quando fez o comentário. Geraldo perdeu terreno entre as pesquisas de julho e agosto.

Estamos no início de setembro. Propaganda no ar. Partidos e coligações tradicionais têm mais espaço na TV e no rádio, coisa que a Rede de Styvenson não tem. A esperança de Geraldo reside aí.

Veja aqui pesquisa da Certus na íntegra.

DD.


Zeca Melo comemora 45 anos de Sebrae

Diógenes Dantas,

O Sebrae completa 45 anos neste 2018. 

No Rio Grande do Norte, o balanço desse período é considerado positivo. 

“Se formos escolher uma coisa importante que aconteceu ao longo desse tempo, no RN, acho que, independente dos apoios e projetos exitosos, a gente conseguiu consolidar a ideia e a crença de que o desenvolvimento econômico passa pelo empreendedorismo, afirmou o superintendente do Sebrae, Zeca Melo, em entrevista nesta sexta-feira (31) ao programa RN Acontece.

Acompanhe o conteúdo completo da entrevista a seguir:



DD.


Saúde sexual é direito fundamental, diz sexóloga

Diógenes Dantas,
Nominuto.com
Cristina Hahn diz que saúde sexual é um estado de bem-estar físico, emocional, mental e social relacionado à sexualidade.

O Dua Mundial da Saúde Sexual será comemorado pela 1ª vez em Natal. Será neste sábado (1º), a partir das 15 horas, em frente ao Midway Mall.

O tema deste ano é "A saúde sexual e os direitos são fundamentais para o bem-estar".

Segundo a psicóloga e sexóloga Cristina Hahn, a saúde sexual é um estado de bem-estar físico, emocional, mental e social relacionado à sexualidade. "Não é apenas a ausência de doença, disfunção ou enfermidade", disse.

Eu conversei com Cristina nesta sexta-feira (31). Acompanhe a entrevista:



DD.


Propaganda na TV e rádio terá menor audiência

Diógenes Dantas,
Arquivo/Nominuto
Há quem diga que a audiência da TV e do rádio será menor diante de tantas telas e mudanças nos hábitos e costumes na era digital.

A propaganda eleitoral na TV e no rádio já começou. Entramos em nova fase da campanha eleitoral.

Muitos candidatos - em especial os tradicionais e mais poderosos - apostam suas fichas neste tipo de propaganda.

Sem dúvida, o alcance da TV e rádio é extremamente relevante num país continental. Mas muita gente se pergunta hoje: a TV e o rádio vão influenciar mais do que a internet com suas redes sociais?

Na fase de pré-campanha, não há dúvida, a internet imperou sozinha e foi fundamental para a consolidação e sobrevivência de algumas candidaturas.

Na corrida presidencial, por exemplo, cito pelo menos duas sem grande estrutura partidária: Jair Bolsonaro (PSL) e Marina Silva (Rede).

Com pouco tempo de rádio e TV, a internet vai ser fundamental para este dois políticos, que seguem entre os mais citados nas pesquisas eleitorais.

Nestes tempos de revolução digital, a tela pequena (smartphones, tablets e PCs) tem levado vantagem em relação à tela grande (televisão).

O Brasil tem hoje mais smartphones ativos do que habitantes. São 220 milhões de aparelhos em funcionamento para uma população de 207 milhões pessoas.

Dos 147 milhões de eleitores, creio eu, grande parte possui uma tela pequena (smartphone) nas mãos.

As pessoas estão cada vez mais assistindo televisão de olho na tela pequena. Quando muito, a pessoa levanta os olhos para ver algo de seu interesse e volta rapidinho para o WhatsApp, Facebook, Twitter ou para aquele aplicativo de sua preferência.

Há quem diga que a audiência da TV e do rádio será menor diante de tantas telas e mudanças nos hábitos e costumes na era digital.

Há quem fale que a TV e o rádio ainda serão fundamentais para escolha do eleitor, principalmente nos rincões do país, onde os hábitos urbanos são mais diluídos e distantes.

Há quem diga que as redes sociais são complementares à propaganda eleitoral tradicional.

Eu fico com a turma que acha que a audiência do horário eleitoral será menor, e que a internet terá papel de grande influência na escolha do voto.

Eu acredito que as inserções na programação serão mais eficazes do que os dois blocos diários da propaganda eleitoral.

Por quê? Porque vai pegar o eleitor desprevenido, sem muita reação para mudar de rádio ou zapear pela TV.

Em algum momento, aquela inserção deste ou daquele candidato vai te pegar.
É bom dar uma olhada com calma. Isto pode ajudar você a votar bem, votar melhor.

Muita gente ainda está indecisa, doida para votar branco ou nulo.

O Brasil, incluindo nosso pequeno Rio Grande do Norte, precisa que você vote.



DD.


Chegou a hora da propaganda na TV e rádio

Diógenes Dantas,
Fladson Soares/Nominuto
Kennedy Diógenes, especialista em direito eleitoral, acredita que o impacto da propaganda na TV e no rádio será menor do que em eleições anteriores.

A propaganda eleitoral na TV e no rádio começa nesta sexta-feira (31). Serão dois blocos diários de 25 minutos divididos da seguinte forma:

Segundas, quartas e sextas-feiras para governador, senador e deputado estadual.

Terças, quintas e sábados para presidente e deputado federal.

Conforme a legislação eleitoral, o guia eleitoral será veiculado no rádio às 7h e às 12h, já na televisão, a propaganda ocorrerá às 13h e às 20h30.

O governador Robinson Faria (PSD) ficou com a maior fatia do tempo da propaganda eleitoral.

Confira os tempos em cada bloco diário:

Robinson Faria - Coligação Trabalho e Superação - Tempo total: 3 minutos e 31 segundos.

Carlos Eduardo - Coligação 100% RN - Tempo total: 2 minutos e 35 segundos.

Fátima Bezerra - Coligação Do Lado Certo - Tempo total: 1 minutos e 30 segundos.

Brenno Queiroga - Coligação Renova RN - Tempo total: 47 segundos.

Dário Barbosa - Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) - Tempo total: 11 segundos. 

Professor Carlos - Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) - Tempo total: 11 segundos.

Freitas Jr - Rede Sustentabilidade (REDE) - Tempo total: 8 segundos.

Heró Bezerra - Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB) - Tempo total: 7 segundos.

DD_Kennedy_770

Eu conversei hoje (30) com o advogado Kennedy Diógenes, especialista em direito eleitoral, sobre o que pode e o que não pode na propaganda eleitoral na TV e rádio. Ele acredita que o impacto do horário eleitoral será menor este ano.

Confira o vídeo a seguir do RN Acontece desta quarta-feira:


DD.


Alunos do RN estão nos últimos lugares em ranking de matemática e português

Diógenes Dantas,

aluno_rn_370É desanimador olhar o desempenho de estudantes potiguares no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb).

Trata-se do mais importante exame aplicado pelo MEC desde 1995.

Todos os estudantes do 5º ano e 9º ano do ensino fundamental e do 3º do médio da rede pública. Na última edição, escolas privadas puderam se voluntariar a participar (até 2017, o MEC selecionava esse grupo por amostragem).

Pois bem. No ranking dos Estados em disciplinas como Português e Matemática, o Rio Grande do Norte ocupa os últimos lugares. Vamos conferir?

5º ano:

Matemática: 24º lugar

Português: 23º lugar


9º ano:

Matemática: 22º lugar

Português: 21º lugar


3º ano médio:

Matemática: 23º lugar

Português: 25º lugar


Isto explica grande parte do porquê de o RN figurar no topo do ranking da violência do país, em qualquer estudo que se faça sobre o número de homicídios e crimes contra o patrimônio.


Seminário tratará de distrato imobiliário e segurança jurídica

Diógenes Dantas,
Nominuto.com
Arnaldo Gaspar, presidente do Sinduscon, promove o seminário “O Distrato na Incorporação Imobiliária e a Segurança Jurídica”, na Casa da Indústria.

O Sindicato da Indústria da Construção Civil do Rio Grande do Norte (Sinduscon) vai realizar amanhã (31) o seminário “O Distrato na Incorporação Imobiliária e a Segurança Jurídica”. Será na Casa da Indústria, com o apoio da Associação dos Magistrados do Rio Grande do Norte (AMARN).

O evento irá contar com a presença de especialistas, ministros, juízes, advogados, membros do Ministério Público e empresários. 

Distrato é a desistência da compra de imóveis negociados na planta e tem afetado muito a construção civil nos últimos anos. 

A questão está em discussão no Congresso Nacional (PLC – Projeto de Lei Complementar 68/2018). 

Programação nesta sexta-feira:


9h: Ministro Luis Felipe Salomão (STJ):

A promessa de compra e venda e a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça.

Presidência da Mesa: Ministro Ribeiro Dantas (STJ)


10h: Celso Petruci (economista especialista em matéria imobiliária):

O mercado imobiliário, sua estruturação e funcionamento.

Presidência da Mesa: Engenheiro Arnaldo Gaspar Jr. (Sinduscon/RN)


11h: Ministro Paulo de Tarso Sanseverino (STJ):

O projeto de lei que regulamenta a desistência do contrato de incorporação Imobiliária.

Presidência da mesa: Ministro Gurgel de Faria (STJ)


Hoje (30) eu conversei com o presidente do Sinduscon, Arnaldo Gaspar. Veja o conteúdo da entrevista a seguir:


DD.


Desafio de Carlos Eduardo Alves é ser conhecido no interior do Estado

Diógenes Dantas,
Fladson Soares/Nominuto
O candidato Carlos Eduardo conta com José Agripino Maia e Garibaldi Alves Filho para ampliar sua presença nas diversas regiões.

O início da propaganda eleitoral amanhã (31) pode ajudar Carlos Eduardo Alves (PDT) a resolver um problema recorrente desde que se prontificou a disputar o governo estadual: o desconhecimento de sua figura no interior do Estado.

Isso é cantado em verso e prosa nas eleições deste ano por adversários e até aliados.

No começo da semana, o senador José Agripino Maia (DEM), que optou por uma candidatura à Câmara dos Deputados, me dizia que o ex-prefeito de Natal faz um esforço danado para se tornar conhecido no interior.

Sem dúvida, Carlos Eduardo conta com Agripino e Garibaldi Alves Filho (MDB) para ampliar sua presença nas diversas regiões.

Não era para ser assim. 

Além de ex-deputado estadual, prefeito de Natal em quase quatro mandatos e integrante de um dos mais tradicionais clãs políticos, os Alves, Carlos Eduardo disputou o governo estadual na eleição de 2010.

Portanto, em tese, Carlos Eduardo deveria ser um nome mais conhecido em todo o Estado. E não é.

Na Festa de Santana em Caicó, por exemplo, ele teve de ser escoltado e apresentado o tempo todo por lideranças políticas que o apoiam na atual jornada eleitoral.

Em alguns momentos, sem a presença destas lideranças locais, se viu abandonado em algum canto de parede, sem que as pessoas comuns o abordassem para um simples aperto de mão. Uma selfie, nem pensar.

A meu ver, isto se deve a dois aspectos:

No interior, as pessoas gostam do calor humano, da presença e do contato com os políticos. Elas gostam de tocar, abraçar e, se for possível, tomar uma com o cara.

Já Carlos Eduardo, de estilo mais introvertido no modo de fazer política, sempre priorizou suas gestões na capital, o que, do ponto de vista dele, foi correto.

Mas quem possui um projeto eleitoral, como o de governador, tem que rodar o Estado, estar presente com as lideranças de cada região, dar entrevistas nas rádios e veículos locais, não faltar a festas de padroeiras, enterros, batizados e tudo mais.

Todo esse roteiro está sendo seguido à risca pelos políticos-candidatos na atual campanha, inclusive por Carlos Eduardo.

Diferentemente do ex-prefeito de Natal, seus principais adversários na luta pelo governo - Fátima Bezerra (PT) e Robinson Faria (PSD) - apostam todas as fichas no interior.

Além do recall da eleição para o Senado em 2014, Fátima Bezerra tem a favor dela o amplo trabalho de interiorização dos instituto federais (IFs).

Já Robinson Faria sempre teve um perfil municipalista, e costuma dedicar várias horas do seu dia aos prefeitos e lideranças do interior do Estado. Faz visitas recorrentes aos municípios.

Eis o grande desafio de Carlos Eduardo: se tornar conhecido em cada recanto do Rio Grande do Norte. 

Isso pode ser fundamental para garantir a presença em eventual segundo turno da eleição, e consequente vitória, claro, na etapa final.


Confira o vídeo:



Especialista diz que TV e rádio ainda são mais influentes em campanha eleitoral

Diógenes Dantas,
Fladson Soares/Nominuto
Bruno Oliveira acredita que a propaganda na TV e no rádio tem maior capacidade de influenciar o eleitor; redes sociais são complementares.

A propaganda na TV e no rádio tem maior capacidade de influenciar o eleitor. A opinião é do cientista político Bruno Oliveira, especialista em marketing digital.

Ele explicou que esse início das veiculações desperta na população a sensação de que a campanha realmente está começando. 

“Ainda há uma certa frieza das pessoas em relação à campanha eleitoral. As assessorias estão trabalhando, mas lá na ponta, no povão, nas pessoas que vão precisar definir seu voto, as coisas vão chegando de forma mais lenta”, disse.

Para Bruno, as redes sociais são complementares na propaganda eleitoral. 

“Elas não chegam a influenciar o eleitor tanto quanto a televisão e o rádio. Ainda há uma penetração muito maior desses dois veículos do que a internet. Como estratégia de campanha, as redes sociais ainda podem ser vistas como algo complementar e não fundamental”, avalia. 

Eu conversei com Bruno Oliveira hoje no RN Acontece.

Confira a seguir:


DD.


Haddad volta ao Nordeste na sexta-feira

Diógenes Dantas,
Ricardo Stuckert
Fernando Haddad, vice de Lula na chapa do PT, esteve na Bahia, Paraíba e Rio Grande do Norte. Na sexta-feira, o petista volta a perambular pelo Nordeste.

O vice de Lula, Fernando Haddad (PT), não tira o pé do Nordeste.

Depois de passar pela Bahia, Paraíba e Rio Grande do Norte na semana passada, chegou a vez de Pernambuco, Ceará e Alagoas.

O novo périplo nordestino de Haddad ocorrerá a partir de sexta-feira (31), e deverá incluir Garanhuns, cidade natal do ex-presidente Lula.


TRE deve contar com 3 mil policiais militares

Diógenes Dantas,

Após a reunião com as forças de segurança do Estado, o TRE deve requisitar 3 mil policiais militares para as eleições de outubro.

Os policiais serão usados nos locais de votação.

São dois PMs para cada um dos 1.500 locais de votação.

O TRE também espera contar com as tropas federais em 97 dos 167 municípios do Estado.

O Tribunal Superior Eleitoral ainda não bateu o martelo sobre o envio das forças federais.

1-20 de 3353