O Barcelona inventou o futebol

Edmo Sinedino,

Se eu tinha alguma dúvida, não tenho mais. Foi o Barcelona que inventou o futebol.

Tirei a certeza ao ver um comentário do estatístico PVC (não comentarista). Foi numa dessas partidas repetidas à exaustão que ouvi e vi a “pérola”.

Messi pega a bola na entrada da área, olha para o meio e lança por cima da defesa, Neymar entra na diagonal, domina com habilidade e marca.

Muito bem. PVC decreta: “a jogada criada pelo Barcelona, e imitada pelo Santos com Lucas Lima e Gabriel, agora repetida nessa partida”.

Indecente. Passo mal com a idiotice.

Aliás, antes do Barcelona, de Messi, e até de Cristiano Ronaldo, do Real, não tivemos craques.

Acho que não!

Todos os “únicos” belos gols do futebol foram criados, materializados por alguns eleitos por essa mídia idiota que, a reboque, leva nosso público, inocente, à cretinice de gastar milhares de reais adquirindo camisas dos europeus.

Leva nossos jovens à insanidade de só pensar numa final de Liga da Europa num final de semana em cidades como Natal, por exemplo.

Concluí.

Foi o Barcelona, foram os espanhóis que inventaram o toque de bola, os lançamentos, as tabelinhas e todos os esquemas de jogo que dão resultado.

Rinus Mitchel, João Saldanha, Fergusson, Telê Santana, Cilinho, Menotti, todos esses técnico foram invenções dos “antigos”.

Times como Santos, Flamengo, Boca, Ríver, Cruzeiro, Botafogo, Palmeiras e mais recentemente o São Paulo montado por Cilinho não merecem registro.

Os grandes feitos do futebol brasileiro, argentino, uruguaio, inglês, russo, italiano ficaram na poeira esquecida da história que morreu depois de Messi, Cristiano Ronaldo e Neymar.

E tem mais: qualquer jogador de segunda, terceira categoria que marcar alguns golzinhos “xôxos” na Europa merecem lugar na seleção.

Tudo pela supervalorização de um futebol chato, repetitivo, cansativo, previsível e que, só tem algo diferente, quando os milionários se enfrentam.

No restante dos campeonatos europeus endeusados, ilustrados, gritados histericamente pelos débeis mentais da mídia, não passam de peladas ruins.

Claro, no futebol brasileiro da CBF canalha, corrupta e sem vergonha, não se faz nada para mudar a cultura de treinadores picaretas, retranqueiros acovardados que, junto com imprensa, dirigentes, tevês e tudo mais de ruim, trabalham para enterrá-lo.

Por isso vamos ter que ouvir, muitas vezes, jornalistas obtusos, elevados à condição de oráculos, repetir as asneiras de um Paulo Vínícius Coelho.

PS: em 1977, jogando pelo Força e Luz de Ranilson Cristino, lancei uma bola por cima da defesa para Márcio 'Chupa Chapa'. O bom centroavante da Cidade da Esperança entrou na diagonal, dominou e deu um toque por cima do goleiro do Riachuelo. Partida de juvenis. Repito, isso se deu em 1977.



Tags: barcelona cilinho flamengo neymar santos
A+ A-