Inédito: um público divulgado é maior que o registrado

Edmo Sinedino,

A final desta quarta-feira recebeu apenas 2.929 torcedores, para uma renda de R$ 56.610, mostrando que a campanha #publicozero de parte da torcida do ABC deu resultado.

Esse pedaço de texto acima escrevi ontem.

E afirmava que já era fraco e resultado da campanha dos torcedores. O que eu não sabia é que esse público era “dourado”.

Segundo colegas da imprensa, amigos que foram à Arena das Dunas, houve uma divulgação para cima.

Quer dizer? Aconteceu o contrário do que se deu, por exemplo, em Ceará-Mirim, quando da partida Globo x Fluminense na Copa do Brasil.

Naquela partida, o Barrettão recebeu um público acima de 5 mil torcedores, mas Marconi Barretto divulgou pouco  menos de 2 mil.

E isso é o que temos visto repetidamente ao longo dos anos em que acompanho jogos em Natal e no RN.

Dessa vez, na Arena, na quarta-feira, haviam menos, bem menos de 2 mil torcedores, e os promotores levaram o público para cima.

Nos meus 30 anos de jornalismo esportivo é a primeira vez que vejo isso.

Uma maquiagem para tentar desmoralizar a campanha dos torcedores que não querem ir à Arena.



Mais vexames na administração da Arena das Dunas

Edmo Sinedino,
salvo1_09

A administração da Arena das Dunas é lamentável. Não tenho outro adjetivo.

Imaginem vocês, num jogo de público baixo e ainda teve torcedor entrando atrasado por conta da lentidão da máquina leitora de cartão.

E se fosse um clássico de 15, 20 mil pessoas?

E se repete pela enésima vez o péssimo atendimento nos bares, serviço também muito lento, caro e de qualidade duvidosa.

Quando será que as instituições que protegem os torcedores, que zelam pelos seus direitos vão agir contra os absurdos na Arena das Dunas?

Esses erros todos na partida Globo 1 x 1 ABC, para apenas 2.929 torcedores.

*Foto: Andrei Torres/Twiiter oficial do ABC


Gileno Souto cumpriu muito bem sua missão na Codesp

Edmo Sinedino,

gileno1_09Abaixo, texto publicado nas redes sociais pelo professor Gileno Souto, exonerado de forma estranha, completamente injusta do cargo de coordenador de esportes da Codesp.

Veja abaixo:

Em abril de 2013, assumi a CODESP, aceitando assim o honroso convite feito pela então secretária estadual de educação, professora Betânia Ramalho.

Por ser funcionário (professor) de carreira da SEEC (CODESP), o que me favoreceu e possibilitou o desenvolvimento de um bom trabalho. O grande desafio nessa missão, foi resgatar o Desporto Escolar, os JERNs estavam muito desacreditado e desgastado.

As escolas sofriam pela falta de estímulo e condições de desenvolver suas atividades práticas de Educação Física e, principalmente do esporte, ferramenta fundamental no processo de formação geral do cidadão.

Com uma dedicação diuturna ao longo desse período e com a valorosa colaboração de muitos, temos a certeza de que alcançamos, se não todos, mas um percentual bastante elevado dos objetivos propostos. Fizemos algumas mudanças, como a unificação das categorias que são praticadas em todo Brasil, implantamos os JEES, que são os jogos das escolas ESTADUAIS, levamos para o interior finais de algumas modalidades e lutamos pela reforma do GINÁSIO DO DED, que hoje se encontra em perfeitas condições de uso. Hoje os estudantes do RN, estão inseridos na política nacional do desporto escolar, participando das principais competições a nível regional e Nacional.

Aproveito a oportunidade para agradecer em nome de Jorian Fontes, toda equipe da CODESP, colaboradores, as DIRECS e a todos os professores e escolas que de alguma forma estiveram se relacionando conosco ao longo desse período e ao amigo Oswaldo Neto pela minha indicação.

Por último, a vida continua e deixo a coordenação da CODESP, mas estarei sempre ligado e antenado com as atividades relacionadas ao desporto escolar do Estado. A FNDE estará sempre de portas abertas para atender a todos. Contem conosco!!! Um beijo no coração.

*Gileno Souto


Globo e ABC empatam de 1 a 1 na primeira partida da decisão

Edmo Sinedino,

nando1_091Globo e ABC ficaram no empate de 1 a 1, primeira partida da final da Copa Cidade do Natal, realizada nesta quarta-feira (22), na Arena das Dunas.

O gol do Globo, Luisão, aproveitando rebote de Edson, logo aos dois minutos, passava a impressão de que muitos outros viriam.

Não foi assim. O ABC empatou com Erivélton batendo falta que desviou em Jamerson. E chances claras de gol mesmo somente aconteceram já perto do final da partida.

Nando (foto) teve a grande chance, mas o preciosismo o fez desperdiçar. Ele tentou encobrir o goleiro Rafael e praticamente atrasou.

Já nos acréscimos, Levi acertou um chutaço na trave e foi só.

Teve alguém melhor em campo? Sim. O ABC, com mais posse de bola, com mais chegadas e sua defesa firme barrando os ataques de Romarinho e Luisão.

No entanto, não acho que o resultado de empate tenha sido injusto. O time de Geninho, e o treinador me surpreende, está muito previsível e limitado.

Geninho dá chances demais a jogadores como Caio Mancha, Túlio Renan, Dalberto, fecha os olhos para más atuações de Echeverría e Gegê, quando poderia levar Chiclete e Fábio Gama.

Fazer algo diferente.

Em quase todos os jogos o Dalberto tem entrado, sido utilizado, mas faz muito pouco. Na partida desta quarta ele entrou na vaga do meia Eceheverría e conseguiu ser pior que o gringo.

E olha que ele entrou leve, fresco, solto, e não conseguiu fazer nada, mesmo sendo marcado pelo jogador do Globo que tem mais dificuldade em marcar, o Renatinho Carioca.

Fica evidente a cada jogo do ABC a carência desse time. A manutenção de Romano, os altos e baixos de Echeverría, o futebol apenas regular de Gegê não vão fazer o time chegar a lugar nenhum.

O Globo de Luizinho Lopes foi bem na partida. Pecou somente porque perdeu totalmente o duelo com a defesa do ABC.

A final desta quarta-feira recebeu apenas 2.929 torcedores, para uma renda de R$ 56.610, mostrando que a campanha #publicozero de parte da torcida do ABC deu resultado.

A gente espera que os dirigentes de ABC, Globo, outras equipes e, principalmente, o presidente da FNF, José Vanildo, e o povo da Arena entendam o recado dado.

O futebol do RN está minguando. Isso está ficando evidente. Não se faz futebol sem torcida.

O duelo, primeiro da final, não teve o televisamento, o que pode se imaginar, supor, como uma forma de tentar levar, na marra, a torcida à Arena.

Não funcionou.

*Foto: Andrei Torres/Twitter oficial do ABC


Alecrim abraça campanha para ajudar Pedrinho Gabriel

Edmo Sinedino,

pedrinho1_09O garoto Pedrinho (foto) tem mielomeningocele, uma doença rara que afeta o desenvolvimento da espinha dorsal e que tem um tratamento muito caro.

Sabendo disso, a direção do Alecrim resolveu abraçar a campanha e ajudar a família de Pedro Gabriel a conseguir parte desta quantia.

Você também pode ajudar. Entre em contato com a mãe do Pedrinho, fone (84) 98828-7445.


Barata vai dirigir o ASSU no segundo turno

Edmo Sinedino,

barata1_09Todos dos dias os absurdos se repetem em nosso futebol.

Barata foi contratado pelo Baraúnas faltavam menos de 15 dias para o início do Estadual. Isso mesmo, menos de 15 dias.

Ele foi, encarou todas as péssimas condições, puxou daqui, levou garotos, arrumou o time e fez milagre. Isso mesmo: milagre.

Ainda chegou até a última rodada do primeiro turno com chance de brigar pelo título. Perdeu para o América em partida que merecia ter goleado, e depois caiu diante do Globo, em jogo igual.

Ao invés de fortalecer essa equipe, dá moral e melhorar as condições de trabalho, a direção, obtusa, seja qual for, o demite.

A direção do ASSU, que havia demitido José Cortina, acertou com Barata para a disputa do segundo turno.



A absurda exoneração do professor Gileno Souto

Edmo Sinedino,

gileno2_09Lúcio Sabiá, folclórico jogador com quem tive o prazer de atuar, no Alecrim, costumava dizer que em Natal o errado era o certo e vice e versa. Tenho que concordar...

Eduardo Machado fazia ótimo trabalho na Sel, saiu para ser candidato, Dadau ficou em seu lugar.

O que fez o prefeito?

Nem manteve Dadau, do ramo, e muito menos voltar quem estava dando show. Sabe o que aconteceu? Nomeou José Vanildo, o mesmo que está afundando o futebol e que nada sabe de esporte comunitário, enfim, de esporte nenhum...

Para acabar de lascar tudo vem o desgoverno de Robinson Faria...Gileno Souto e sua equipe, mesmo atrapalhado pela secretária de educação, comanda a Codesp, realiza JERNs de sonho, entre outras competições, e como prêmio é exonerado.

O problema do Brasil não é crise, falta de dinheiro ou coisa que valha, o que temos são gestores absolutamente incompetentes.

Acho que eles, quando veem alguém trabalhando bem, com correção, tiram fora para não ofuscar e deixar claro a incompetência deles.

Isso cabe para Carlos Alves e o Robinson. Absurdo o que eles estão fazendo com o nosso esporte. Isso é uma vergonha.

PS: no final da tarde me chega uma informação: Gileno é irmão do candidato derrotado nas eleições para prefeito de São Paulo do Potengi. Ganhou o correligionário de Robinson, portanto...


Globo x ABC, primeira partida da final, será dia 22, na Arena

Edmo Sinedino,

@ABCFC x @OficialGloboFC será dia 22/02, na @arenadunas, 19:15h. Informação via twitter de Mállyk Nagib.

Já nesta quarta-feira.

Mas será que o segundo jogo, mando do ABC, vai ser também na Arena?

O presidente Judas Tadeu, seu vice de futebol, Leonardo Arruda Câmara vão mesmo concordar com essa indecência que pune seu sócio torcedor?

Vamos esperar e ver o andamento das ações.



Contrato de transmissão com a tevê tem que ser tornado público

Edmo Sinedino,

Neste momento em que o assunto cotas televisivas dominam o noticiário cabe, mais uma vez, perguntas e questionamentos ao presidente da FNF, José Vanildo.

Quanto os clubes do nosso Campeonato Potiguar recebem pela transmissão dos jogos pela tevê?

No Ceará, o mais perto que posso comparar, segundo vejo nas informações do jornalista Mario Kempes e do Jornal O Povo é de R$ 2,56 milhões/ano.

Isso proporciona R$ 800 mil para Ceará e Fortaleza e R$ 120 mil para os outros oito clubes.

Aqui, quanto recebem ABC e América? Será que é verdade a cota inaceitável de R$ 60 mil por jogo?

E também procede a informação que a nossa cota é inferior ao que foi acertado com as federações e clubes da Paraíba e de Alagoas?

Notem, quantas interrogações. Mistério, perguntas sem respostas.

Será possível que os dirigentes de nosso futebol não se dão conta, se assim for, o prejuízo que essas transmissões, nos horários mais impróprios, estão causando aos seus cofres?



Vem do Paraná um exemplo a ser seguido...

Edmo Sinedino,

Presidente do Atlético/PR, Luiz Sallim Emed sugere que se diga “não” para romper com o “status quo”.

Quem sabe não serve de exemplo para o resto do Brasil. Quem sabe aqui, onde os clubes recebem uma merreca – ABC e América – para que a tevê que detém os direitos de transmissão coloque seus jogos a hora que bem entendem.

No momento em que a nossa FNF resolve tomar para si o mando de campo de dois jogos finais do turno, acho que esse exemplo paranaense bem que poderia ser seguido.

Chega de bandalheira. Esse povo das tevês, em conluio com dirigentes desonestos, está acabando com o futebol do Brasil.

Veja o exemplo:

Federação impede transmissão online do Atletiba e clubes se negam a jogar

O clássico entre Atlético-PR e Coritiba, marcado para as 17h (de Brasília) deste domingo (19), teve seu início impedido pela Federação Paranaense de Futebol (FPF). Alegando problemas de credenciamento, a entidade se opôs à transmissão do jogo de forma independente e exclusivamente online pelos canais dos clubes no YouTube. Os clubes se negaram a jogar sem a transmissão e a partida não aconteceu.

Jogadores dos dois times entraram em campo de mãos dadas para se despedir da torcida e voltaram ao vestiário logo depois. A torcida na Arena Baixada gritou "vergonha" e protestou contra a FPF e a Rede Globo.

"Fica o alerta para que os outros clubes sigam o exemplo de Atlético e Coritiba", disse o presidente do Atlético-PR, Luiz Sallim Emed. "Vamos dizer não. É uma palavra simples. Muitas vezes é isso que a gente tem que fazer: romper com essas coisas. Vamos romper com o status quo".

FPF diz que problema é no credenciamento

Hélio Cury, o presidente da federação paranaense, disse que não haveria jogo enquanto os profissionais não saíssem de dentro de campo. Segundo ele, o credenciamento dos profissionais deveria ter sido feito 48 horas antes da partida, o que não teria acontecido.

"Enquanto os profissionais não credenciados estiverem dentro do campo não vai haver jogo", disse ele. "Deveria ser feito um credenciamento 48 horas antes da partida. O nosso posicionamento está bem claro: está proibido".

Fonte: Uol Esportes


Os treinadores continuam dando seus "migués"

Edmo Sinedino,

Indignado. Entra ano e sai ano. Vêm e vão treinadores. Sinceramente. Todos chegam prometendo dar chances aos jovens valores.

Migué! Palavra usada pelos jogueiros para definir enganação.

Sábado vi um ABC entrar em campo, de novo, sem Chiclete. E nem mesmo a maior promessa, falo em nível de talento, sequer entrou na partida.

Geninho, seguindo o exemplo dos demais, coloca alguns, põe e tira, muitas vezes em posições diferentes – caso do Arês.

E o gelo no Chiclete é algo incompreensível.

E no América a mesma coisa. Lúcio Curió andando em campo, atrapalhando, e os garotos no banco de reserva, sem chance.

Entrou um, o Marcelinho, marcou um gol. E olha que tem quase uma formação inteira no Departamento Médico.

No ABC, Túlio Renan, Gama, Mancha...no América, Somália, Lúcio Curió e Luiz Eduardo (esse passou dois anos fazendo raiva até sair).

É o retrato de nosso futebol.

Os dirigentes, boa parte da torcida, boa parte da imprensa, pensam igual. E a coisa segue, piorando a cada ano.

Não esqueçam de lembrar sempre: Lúcio Flávio, Edno, Makelelê, Júnior Pipoca, Washington, Netinho, Alan Bahia, Fernando Henrique, entre tantos outros enganadores.

Somem aí quanto eles levaram dos cofres de nossos clubes.



FNF/Arena das Dunas:parceria para acabar com o futebol do RN

Edmo Sinedino,

Vamos ter finais do primeiro turno entre dois clubes que se sacrificaram (principalmente o ABC) para construir seus estádios e não vão poder mandar os jogos em casa.

Um absurdo que só se vê numa federação que perdeu, completamente, a noção do que é cuidar e fazer crescer seus filiados.

Essa violência contra as agremiações, evidente, tem como conseqüência a quase eliminação dos programas de sócios torcedores dos clubes.

Será possível que Judas Tadeu, Marconi Barretto e as torcidas dos clubes vão ficar de braços cruzados diante desse descalabro?

Um absurdo que o torcedor pague todo mês, em dia, com sacrifício às vezes, a sua mensalidade e tenha que pagar ingresso para ver o melhor do certame.

Fica evidente que o presidente José Vanildo e sua FNF trabalham para o consórcio Arena das Dunas e não para os clubes.

Chega de absurdo!

Por isso, o nosso campeonato potiguar das invenções, mudanças e visitas cariocas tem uma média de público abaixo de 2 mil pagantes.

O que o presidente da FNF e dirigentes de clubes estão fazendo para mudar isso? Nada.


ABC e Globo decidem título do primeiro turno

Edmo Sinedino,

Vamos ter ABC, primeiro colocado, 17 pontos, enfrentando o Globo, segundo colocado, 14 pontos, se enfrentando nas finais.

Terminou a última rodada do primeiro turno. Acertei meus prognósticos todos, claro, sem especificar o placar.

Mas disse, respondendo a uma telespectadora do Esporte em Pauta, da tevê Assembleia, que daria ABC, Globo, América e Potiguar de Mossoró.

E não tivemos nenhum empate. O Potiguar venceu o Santa Cruz de 2 a 1, ABC 3 x 2 Alecrim, América 4 x 1 ASSU e Globo 1 x 0 Baraúnas.

O alvinegro joga por dois resultados com saldos de gols iguais. Dois empates ou vitórias, alternadas, para um e outro pelo mesmo placar.

Nos jogos da rodada, destaque para a grande batalha entre Globo e Baraúnas, com as equipes se alternando em busca do gol.

Aliás, como já era esperado. o Globo foi melhor e fez o gol da vitória no primeiro tempo.

O Baru pressionou, foi melhor no segundo, mas não achou o empate.

O América se aproveitou da fragilidade do ASSU, perdido em campo, e venceu nos erros do Camaleão.

O ABC, time reserva, confuso, mal armado, com atacantes em excesso e sem jogadas de ligação, marcou três gols, tomou dois, e só não cedeu o empate graças a grande atuação do goleiro Júnior Beliato.



O dia em que Danilo Menezes virou "João"

Edmo Sinedino,

Já contei no blog, nas páginas do Diário de Natal, no meu tempo de editor, muitas histórias de Danilo Menezes.

Hoje, sexta-feira (17), em homenagem aos seus mais de 90 anos de vida (ele diz que é pouco mais de 70) reproduzo algumas delas.

Essa aqui foi o dia em que ele foi marcar Garrincha.

Vejam:

Apreciava demais chegar à Fenat, antiga, e me reunir com a turma para falar de futebol. Claro, no centro, ele, Danilo Menezes Nuñes.

Danilo dispensa apresentação, mas pode ser que tenha alguém desavisado e eu informo: Danilo Menezes é uruguaio, nascido na fronteira, na cidade de Rivera, atravessando a rua é Santana do Livramento no Rio Grande do Sul.

O nosso gringo chegou em Natal no ano de 1972, e salvo algumas saídas para o Botafogo da Paraíba, fincou raízes em Natal.

Não me perguntem quantos anos ele tem, não sei. Dizem que o saudoso Hélcio Jacaré tinha os documentos originais do nascimento do gringo, mas não posso afirmar.

Até hoje, o que tenho absoluta convicção é que nem mesmo os filhos de Danilo sabem quantos anos, de verdade, ele tem.

Na sua carreira gloriosa vestiu a camisa do Nacional de Montevidéu, na época uma das melhores da América do Sul, foi seleção uruguaia, disputou jogos nas Eliminatórias para a Copa de 1966.

Os mais maldosos, falsos amigos, afirmam que ele fez parte da seleção uruguaia campeã do mundo em 1950, no Brasil...

Portanto, esse é Danilo, nosso ídolo, ex-atleta querido de todas as torcidas, funcionários público, hoje aposentado, da SEL – Secretaria de Esporte e Lazer.

Faz uma falta danada. A SEL nunca mais foi a mesma. Eu mesmo, confesso, nunca mais fui lá depois que ele e Fabíola se aposentaram.

E agora, imaginem, é que não vou mais mesmo.

Nas nossas visitas quase diárias como repórter e amigo, se ele não estivesse, com Fabíola, de preferência, nem tinha graça ficar na fundação, à época ainda não era secretaria.

Tomávamos café no barzinho do Baixinho Genival, nos sentávamos e tome falar de futebol, da vida alheia, do presente e do passado.

Danilo, com suas décadas e décadas de vida tinha histórias demais para nos contar.

Certa vez, entre sorrisos, e saudades, ele narrou para mim, para a gente, o dia em que Garrincha fez dele mais um “João”.

João, todos sabem, era o apelido que Mané colocava nos seus marcadores. Essa história, fantástica, hilária, aconteceu quando Menezes defendia o Vasco da Gama.

Ele ele começa a narrativa:

- Foi o meu primeiro jogo pelo Vasco contra o Botafogo. Os caras falavam demais do Mané. Diziam maravilhas, mas eu havia chegado há pouco, nem tinha visto direito o “hôme” em ação. Mas pensava comigo que não devia ser grande coisa.

- Fomos para o campo, eu bem confiante – narra.

- Eu ia jogar nesse dia de ponta-esquerda, Oldair (aquele mesmo que depois jogaria no Atlético Mineiro) era o lateral, lateral mesmo.

- “Seu” Zezé (Moreira, técnico) pediu para eu fechar o espaço e voltar para ajudar Oldair. Eu não gostei muito, afinal eu era meia e não gostava de jogar na ponta e nem muito menos marcar ninguém- acrescenta nosso gringo

- Mas tudo bem. Tava precisando mostrar serviço. Entramos em campo e eu tive a curiosidade de olhar para o famoso Garrincha. Nunca tinha visto ele de perto - confessou.

- Olhei, olhei, e pensei comigo: “pô, o sujeito é um aleijado, anda todo torto, um joelho para dentro e outro para fora, como é que os caras levam drible dele?

- Se eu soubesse.

-Oldair chegou perto de mim e apontou para Mané dizendo: “o cara é esse, cuidado com ele é arisco e ligeiro demais”.

- E ainda acrescentou me metendo medo: “não esqueça! Você faz o primeiro combate, e eu chego depois para roubar a bola”.

- Concordei. Ainda me alegrei, nem sei porque: vou me consagrar hoje, pensei aquecendo animado. Ah! se eu soubesse...

-E o jogo começa. Bola pra qui, bola pra lá. Nada. Ele lá no canto dele. Nem pedia a pelota, quieto, sossegado. Cheguei a conclusão que ia ser mesmo moleza.

-Nunca estive tão enganado em minha vida...

-Pois bem, na primeira bola que deram pra ele eu fiz cara feia, cheguei pesado para ele saber que não ia ter moleza, vupt! Nem vi o vulto do cara. Ele passou por mim e Aldair de uma vez só.

- Deu mais um drible em Fontana que deu ‘carrinho’ no vento, cruzou na medida para Amarildo fazer 1 a 0.

-Fiquei pensando comigo: como diabo ele fez isso? Nem bem a gente chegou perto ele já estava dois metros adiante.

- Pois é, eu e Oldair levando bronca de “seu” Zezé e a torcida delirando feliz no Maraca e tome vaia na gente. Eu fui inchando, me dando uma raiva...

E o jogo seguiu. Fiquei p. da vida, claro. Olhei para Oldair e combinei:

-Na outra a gente pega, deixa ele se alegrar, eu vou dar o primeiro combate, chego na frente, como quem não quer nada, e na hora que eu chegar junto nele você chega logo depois, para não ter como ele escapar. Se ele passar por mim vai trombar em você.

- Oldair concordou.

- E lá vem ele, balançou uma vez, duas, passou por cima da bola, voltou, repetiu a firula e preparou o bote. Tinha certeza que ele ia partir com tudo. Fechei os olhos e me joguei em cima dele...

-Caiu aquele bolo nós dois rolando, eu pensei: te peguei aleijado filho da puta, mas, estranhei as risadas e as vaias da torcida…

Quando abri os olhos, menino! Eu estava no chão agarrado com Oldair, a gente caiu junto, ele driblou nós dois e já tava cruzando de novo da linha de fundo.

Perdi a paciência. Olhei com raiva para Oldair e disse: tu cuida dele sozinho, pois você é o lateral, eu é que não vou mais aí.

-E não fui mesmo. Perdemos, acho que de 3 a 1.



Bandidos travestidos de torcedores bancados por dirigentes

Edmo Sinedino,

gilmar3_09Um absurdo que cenas como essas continuem a acontecer no futebol brasileiro.

Bandidos travestidos de torcedores intimidando, agredindo vebalmente, e até fisicamente, profissionais de futebol.

Aconteceu em Fortaleza, com o técnico, agora ex, Gilmar Dal Pozzo,  e com os jogadores do Ceará, mas já se passou em quase todos os lugares do Brasil.

Aqui em Natal também.

Para quem não sabe, esses bandidos travestidos de torcedores, poderosos, em muitos casos, ou em quase todos, são bancados pelo dirigentes dos próprios clubes.

Uma vergonha.

Abaixo, posicionamento do Sindicato dos atletas do Ceará e Fenapaf.

NOTA DE REPÚDIO

A Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol - FENAPAF e o Sindicato dos Atletas Profissionais de Futebol do Estado do Ceará-SAFECE - vem tornar público o nosso repúdio ao tratamento dispensado aos profissionais do Ceará Sporting Club que foram agredidos por um grupo de pseudos torcedores, no aeroporto Pinto Martins, Fortaleza, neste dia 16 de fevereiro de 2017.

Atitudes como estas precisam ser recriminadas pelo clube empregador, que tem obrigação legal de garantir a segurança dos seus empregados. Igual modo, suplicamos que a segurança pública do Estado do Ceará garanta, doravante, a integridade de todos os personagens envolvidos em tão lamentável episódio.

FENAPAF

SAFECE



18 clubes do Nordeste caem na 1ª fase da Copa do Brasil

Edmo Sinedino,

Esse novo formato da Copa do Brasil, cada vez mais elitizando a outrora competição democrática, já eliminou tradicionais clubes do futebol do Nordeste.

Fica evidente que a intenção é justamente essa: deixar cada vez menos clubes das regiões mais distantes do centro-sul.

Caíram Remo Náutico, Ceará, Fortaleza, América, CRB e Botafogo/PB, CSA, Rível, Uniclinic, Salgueiro, Sampaio Correa, Campinense, Itabaiana, ASA/AL, Sergipe, Moto Clube/MA e Globo/RN.

Essas derrotas custaram cargos de alguns técnicos, como Dado Cavalcanti, do Náutico (fraco treinador da mídia) e Gilmar Dal Pozzo, do Ceará, isso que eu fiquei sabendo, outros devem ter caído também.

Dos nordestinos em ação, resistiram à primeira rodada, o ABC de Natal, Sport, Murici, Altos/PI (time de Francisco Diá), Guarani de Juazeiro, Vitória/BA, Vitória da Conquista/BA e o Bahia. Força baiana.

Alguns poderosos da região Sul, tais como Figueirense, Juventude e Londrina também ficaram de fora na primeira lapada.

E ainda teve nego achando ruim, dizendo que o ABC passou sufoco, e coisa e tal. O que vale é a vaga e os R$ 315 mil na conta.



As novas categorias de idade para os JERNs 2017

Edmo Sinedino,

jamilson1_09Atenção rapaziada ligada no esporte escolar, professores, diretores de colégios e desportistas em geral!

A SEEC/Codesp, após análises e várias reuniões de avaliação dos Jogos Escolares do Rio Grande do Norte – JERNs, e pensando no desenvolvimento do desporto escolar, definiu as novas faixas etárias dentro das categorias para os jogos de 2017.

A categoria Mirim será disputada por garotos de 10 a 12 anos.

Infantil ma  faixa de 13 a 15 anos.

Juvenil de 16 a 18 anos.

O professor Gileno Souto e toda equipe técnica da Codesp informa a oficialização das novas categorias com o aval da secretária de educação Cláudia Santa Rosa.



O Barrettão recebeu apenas 1.876 torcedores pagantes!?

Edmo Sinedino,

Os dirigentes de nosso futebol, o presidente da FNF, José Vanildo, todos eles reclamam a falta de investimento em nosso futebol.

Parcerias privadas e públicas.

Eu sei o motivo do pouco caso que fazem do futebol. Falta credibilidade. Quase ninguém quer associar, com patrocínios sérios, sua marca com o combalido e desacreditado esporte.

Nesta quarta-feira, no jogo do ano em Ceará-Mirim, entre Globo e Fluminense, mais uma prova incontesti desta desconfiança.

A administração do estádio, do jogo de Copa do Brasil, mostrado para todo Brasil pela rede Fox Sports, divulgou um público de 1.786 pagantes. Renda de R$ 51.860,00.

Que vergonha! Que absurdo. Não estou falando da falta de torcedor no estádio, não, falo, isso sim da falta de compromisso com a verdade, com a torcida, com a decência.

O futebol, por essas e outras coisas indecentes, merecia ser passado a limpo. Uma devassa em federações, clubes, etc.

Uma renda como essa, o Ministério Público, o Procon, Estatuto do Torcedor, o INSS lesado, deveriam pedir recontagem e provas cabais de que apenas esse público esteve no Barrettão.

Se é que esse público e renda divulgados são de números definitivos...

Marconni Barretto é o dono do campo, o dono do Globo e prefeito da Cidade de Ceará-Mirim.

Só para constar.


O Fluminense veio, deu show, e venceu com autoridade

Edmo Sinedino,

Aconteceu o que eu temia em Ceará-Mirim. A equipe do Globo não teve força defensiva suficiente para segurar o ataque avassalador do Fluminense.

As jogadas do Lucas, lado direito, principalmente, e Léo Pelé, lado esquerdo, foram determinantes para a goleada imposta pelo tricolor carioca.

5 a 2. Com direito a um golaço histórico, o mais bonito já marcado no Barretão. O meia Gustavo Scarpa, antes do meio-campo, vislumbrou Rafael adiantado e chutou.

Uma pintura.

Não por menos, o Fluminense é hoje candidato a ser o time da temporada no futebol brasileiro.

Defesa forte, equilibrada, alas que voam, meiocampistas de qualidades – Orejuela, volante moderno, quase não erra passes e só joga de forma vertical, e Douglas, segundo volante que chega na frente como meia.

Os meias Sornoza, que perdeu um pênalti, Gustavo Scarpa e Wellignton Silva (meia atacante) e o centroavante Henrique Dourado, em grande fase.

Um time insinuante, com saída de bola rápida e qualificada, passagens constantes de alas, viradas de jogo, variações de jogadas, trocas de posições dos meias, um verdadeiro carrossel quase impossível de ser parado.

Neste momento, somente um sistema defensivo bem treinado, qualificado, pode segurar o poder ofensivo do Fluminense.

O Globo, posso até dizer que já sabia, não tem essa condição.

Mas o time de Luizinho Lopes marcou dois gols, criou outras situações de ataques interessantes e até poderia ter feito mais gols.

Não sei se já na virada, o treinador do Águia já não deveria ter voltado com Renatinho e Gláucio.

Os dois, isso ficou evidente, deram mais qualidade ao Globo, com Renatinho, e presença de área, com o Gláucio.

Merece registro sim a valentia do time de Ceará-Mirim em ameaçar o poderosos clube carioca.

Com o resultado, além de ficar fora da Copa do Brasil, o Globo encerrou uma invencibilidade de 18 meses sem perder dentro do Barrettão.



América bate o Baraúnas e se mantém vivo na disputa do turno

Edmo Sinedino,

Em jogo de pouca qualidade técnica, o América venceu o Baraúnas de 1 a 0, gol de cabeça marcado pelo atacante Toni.

O Baraúnas foi melhor, criou as melhores oportunidades, mas desperdiçou boas chances de marcar.

Todos concordam que o nível técnico da partida foi sofrível.

Com o resultado, o América chega aos dez pontos e entra, ainda, na briga pela disputa do primeiro turno.

O time rubro precisa vencer o ASSU e torcer por um empate entre Globo x Baraúnas, partida que será realizada no Barrettão.

Continua difícil, mas pelo menos chega brigando na última rodada do primeiro turno.


1-20 de 6447