Carta branca para quem chega

Edmo Sinedino,

Aproveito um comentário de um amigo. Ele diz que o mal do ABC é delegar poderes demais a quem chega, qualquer forasteiro. E é mesmo. Foi assim com executivos de futebol, um tal de Mendes e outro mais pelé ainda chamado Pastana, e ultimamente o Giscard Salton.

O cara fez um salseiro, contratou quem quis, encheu o plantel do ABC de cabeça de bagre, inclusive com a concordância de Ranielle Ribeiro, então treinador, e deu no que deu. O ABC perdeu seus melhores jogadores e a reposicão foi um desastre. O clube sofre desde o ano passado.

Esse ano, a mesma coisa aconteceu com o fraquíssimo treinador Sérgio Soares. Chegou, mandou, referendou cinco jogadores de baixo nível, perdeu todas que comandou, foi embora deixando o começo dessa crise sem remendo.

Chega a vez de Roberto Fernandes. Salvador da Pátria - parte II, a Missão. Trouxe alguns jogadores sem qualidade também, deu ordem de saída e manutenção para alguns, hoje, ainda não tem opção nas alas e nem para segundo volante.

Erros cometidos, não assumidos, em escalações e substituições durante as partidas, e o ABC campengando, só uma ação muito conjuntada dos deuses do futebol, caboclinhos de Bora Porra, Sobrenatural de Almeida de Nelson Rodrigues para salvar o alvinegro da degola.

Tudo isso, sem sombra de dúvida, devido à falta de gestão, aliada a uma total incapacidade que nossos dirigentes têm de controlar os seus contratados, sejam jogadores, executivos ou treinadores.



Matheus Matias segue sem ser aproveitado

Edmo Sinedino,

A polêmica foi Jefinho. Escrevi e falei muito sobre o atacante do ABC. Acabei lembrando de outro, na verdade, também vítima, esse de uma má negociação e da influência nefasta de atravessadores-empresários-agentes, enfim. Falo de Matheus Matias.

Esse rapaz, a despeito de seu talento, nem contrato regular tinha com o ABC. Vejam que absurdo. Jogava Futset e começou a fazer parte do elenco do alvinegro. Na necessidade, Itamar Schulle o colocou em campo, sem contrato assinado, contrariando o presidente, na época, Judas Tadeu.

Ele jogou. Começou a fazer gols. E, claro, os sabidos entraram na jogada. Atleta livre, de imediato sucumbiu aos "encantos" e promessas. O ABC não pegou quase nada do atleta que, artilheiro do Brasil, superbem, jogando, feliz da vida, teve que sair para o Corinthians Paulista.

Lá no Timão, pouca ou chance nenhuma, entrou uma vez, marcou um gol numa partida sem valia, e foi só. Esquecido e deixado de lado. Emprestado ao Ceará do Lisca Doido que o conhecia. O Doido não o colocou para jogar, não deu sequência. Matheus não ficou.

De novo, emprestado, desta vez a pedido de Geninho, treinador que recebeu indicação dele. No Avaí, o rapaz de Natal também não está jogando. Nas últimas partidas nem no banco ele consta, não sei o motivo.

Uma pena. Um grande talento que poderia ter ficado, marcando gols, ajudado o ABC a ganhar a Copa do Nordeste e se manter vivo nas competições nacionais. Uma lástima o que os dirigentes de nosso futebol deixam acontecer.



Jefinho, ignorado por alguns portais de notícias, é o vice-artilheiro do Brasil

Edmo Sinedino,

Jefinho, assunto obrigatório do dia, para mim, primeiro pela entrevista de Roberto Fernandes, que praticamente jogou nas costas do atacante a culpa pelo empate em João Pessoa, depois, porque tive a curiosidade de saber quantos gols Jefinho havia marcado nesta temporada.

Lembrei do Prêmio Arthur Friedenreich instituído pela Rede Globo para homenagear os goleadores do futebol brasileiro. Pela manhã, e até meio dia, em todas as pesquisas que fiz não constava o nome de Jefinho em nenhuma classificação.

Cheguei a dizer, em programas de rádio, 96 FM, que ele era o artilheiro do Brasil, só que, com a última atualização, ele já havia sido ultrapassado por Edson Cariús, do Ferroviário, e Gabriel, do Flamengo.

jefo23_09Tudo bem, isso já constava, depois, nos portais do Lance, mas em outros, como UOL, Torcedores.com, ainda havia na lista a ausência do nome de Jefinho, como permaneço sem identificar o nome de Negueba, do Globo, que já marcou 11 gols na temporada - quatro no Estadual e sete na Série C.

Tenho certeza absoluta que as correções, a colocação do nome de Jefinho em alguns portais se deu depois que cobrei da FNF, dos dirigentes de ABC e Globo, inclusive com publicações nas redes sociais e divulgação na rádio.

Nos portais Lance, Terra e Globo o nome do jogador de Triunfo Potiguar, atleta do ABC, a melhor contratação do alvinegro em 2019, já consta direitinho como terceiro maior artilheiro do Brasil na temporada, ficando atrás apenas de Gabriel, Flamengo, e Edson Cariús, Ferroviário, ambos com 19 gols. Jefinho tem 18.

Lembrar que no ano passado, o ABC, nos primeiros meses da temporada também tinha o artilheiro do Brasil. O garoto Matheus Matias, depois negociado para o Corinthians, prejudicado, para não jogar. Hoje, ele está encostado no Avaí.

*Foto: Andrei Torres/ABC FC


Brusque, Ituano, Manaus e Jacuipense conseguem o acesso à Série C do Brasileiro

Edmo Sinedino,

Brusque, Manaus, Jacuipense-BA e Ituano garantem acesso à Série C. ironicamente, de novo, uma equipe que eliminou o América consegue o acesso, desta vez foi a jacuipense,ano passado foi o Imperatriz e a Juazeirense, em 2017.

Nas semifinais, Brusque, catarinense do Sul, vai enfrentar o Ituano, da região Sudeste; o Manaus, representante da região Norte se bate com a Jacuipense, do Nordeste. Quatro regiões contempladas com o acesso.

Manaus e Jacuipense, nortistas e nordestinos, que estavam há bastante tempo fora da terceira divisão conseguem o acesso inédito.



Treze perde para o Náutico e continua na última colocação do Grupo A

Edmo Sinedino,

Menos mal que, no encerramento da rodada, o Náutico não deixou o Treze somar pontos, continuando o time de Campina Grande com os mesmos 9 pontos na última colocação. Bom para ABC e Globo que estão um pouco acima.

A rodada se encerrou com a vitória Timbu de 1 a 0, gol de Rafael Oliveira, e levando a equipe pernambucana ao G4, com 21 pontos, tomando a posição do Imperatriz que, no sábado, perdeu para o Confiança de 3 a 1.

Pois é, o Treze, lanterna, engrossou com o Náutico, agora quarto colocado, e o gol da vitória só saiu depois dos 30 minutos do segundo tempo. O nivelamento por baixo que a gente tanto fala.

Confiança, 24 pontos, Sampaio Corrêa, 24, Ferrovário, 23, e Náutico, 21, são os quatro clubes que compõem o G4. Lá embaixo, ABC, 10 pontos, e Treze, 9, são os últimos colocados, numa briga acirrada contra o rebaixamento.

Na rodada, dos cinco jogos, apenas Botafogo 1 x 1 ABC terminou em igualdade. O Globo, que não vencia a sete rodadas bateu o Ferrovário de 2 a 0;  Sampaio 1 x 0 Santa Cruz; Confiança 3 x 1 Imperatriz e Náutico 1 x 0 Treze.

Na próxima rodada, 14ª, o ABC recebe o Santa Cruz, no Frasqueirão, e o Globo sai para enfrentar o Treze, em partida que decide muita coisa na parte de baixo. Imperatriz x Botafogo, Náutico x Confiança e Ferroviário x Sampaio são os outros duelos.



Natal sedia neste final de semana o Campeonato Brasileiro de Judô de Veteranos

Edmo Sinedino,

todosJ_09Natal sedia neste final de semana o Campeonato Brasileiro de Judô de Veteranos

Natal sedia neste final de semana - sábado e domingo - o Campeonato Brasileiro de Judô de Veteranos e Katas. A competição está se realizando no ginásio da Integração, no Henrique Castriciano-UNI/RN, e reúne atletas de todo o país. O evento é organizado pela Confederação Brasileira de Judô (CBJ), com apoio da Federação de Judô do Estado do Rio Grande do Norte (FJERN).

De acordo com o presidente da FJERN, Tibério Maribondo (foto), estão em Natal judocas que representaram o Brasil em competições oficiais. "É uma grande honra e satisfação receber em nosso estado os atletas veteranos de todo o Brasil, oportunidade de assistir grandes atletas do passado que permanecem praticando judô de forma regular, mantendo a saúde e sentindo novamente a adrenalina da competição", revelou.

tiberio_09

Paralelamente ao campeonato está ocorrendo o III Encontro Nacional de Kodanshas, evento que reúne os professores mais graduados do Brasil (a partir do 6° DAN). "Será um momento muito importante para a manutenção da tradição, da produção do conhecimento e divulgação dos princípios da  essência do judô", disse Tibério que encerrou fazendo um agradecimento a CBJ, "a FJERN agradece a CBJ pela confiança em trazer os eventos para Natal e convida a sociedade judoística potiguar a comparecer ao ginásio da Integração e incentivar os nossos representantes".

O início das apresentações dos katas aconteceu neste sábado (20), logo após a abertura oficial do campeonato de veteranos. Os combates da categoria feminino se realizaram a partir das às 14h. As disputas da categoria masculino ocorrerão neste domingo (21) a partir das 9h. O tempo de duração das lutas para atletas de 30 a 59 anos será de 3 minutos, enquanto de 60 a 79 anos, 2,5 minutos.

Fábio Pacheco/Assessoria de Imprensa



Jefinho é a vítima da vez do nosso complexo de vira-latas

Edmo Sinedino,

jefinho23_09Isso nunca vai mudar. Faz parte da nossa cultura doente, de nosso encravado, desgraçado complexo de vira-latas. Já havia acontecido no jogo passado, se repetiu hoje diante do Botafogo, em João Pessoa. Um "cristo", um escolhido, um bode expiatório, culpado pela vitória não ter sido concretizada. Jefinho. Potiguar, claro.

Esse "escolhido" um dia já foi Herivélton, Tonhão, Arês, Felipe Alves, Alvinho, Marcílio, o nome do escolhido da vez é sempre um jogador da terra. Não sei se a culpa é da imprensa, dou da própria torcida, só sei que nunca apontam um dedo na direção de um estrangeiro, nunca.

E quando esse estrangeiro começa a ser incomodado, apontado, já sabe, é porque ele já está um longo período em Natal, se torna quase um potiguar, assim como aconteceu recentemente com o goleiro Edson, lembram? Salvou o ABC duzentas vezes, mas falhou, não tem perdão.

Jefinho, centroavante, o melhor atacante que o ABC contratou esse ano, disparado o melhor, já deve ter marcado uns cinco ou seis gols, mesmo nessa fase ruim que o ABC atravessa, mesmo assim se tornou o "escolhido".

No jogo passado, ele marcou um golaço, depois, numa chance única (se fosse três, quatro vezes seguida), driblou o goleiro e, normalíssimo, acontece com todo atacante, ele perdeu o ângulo e não marcou. Mesmo tendo feito o gol, não foi poupado. Já tinha gente pregando sua saída do time. Doentes, cegos! Entendo assim.

Hoje, jogo contra o Botafogo, como sempre, presente na área, consciente, bom de bola, bom de passe, ótimo de colocação, estava na bola no gol de Lohan (vejam a foto), depois deu um passe belíssimo para Anderson Rosa perder; depois prendeu o zagueiro e a bola sobrou de novo para Rosa, que voltou a chutar bem, mas o goleiro pegou. Pouco depois do gol, recebeu na frente, com passadas largas deixou o defensor para trás, chutou tirando do goleiro, tirou demais, perdeu o gol. Pronto.

Wallyson também  teve uma bela chance, passe dele, perdeu; os defensores Joécio e Adalberto num mesmo lance, desperdiçaram, mas todos os que assistiram o jogo, e também os jornalistas da resenha da partida só enxergaram a chance perdida por Jefinho.

Fico me perguntando: o que danado é isso? Quando é que esse comportamento esdrúxulo, absurdos, demente, doentio vai mudar? Quando será que os jogadores nascidos em nossa terra vão merecer o respeito da torcida e da imprensa?

*Foto: Equipe de Comunicação/ABC FC

Brasil e RN

O complexo de inferioridade dos brasileiros, dimensionado por Nelson Rodrigues com a expressão “complexo de vira-lata”, sempre foi objeto de estudos e discussão desde os primórdios do século 19. Aqui e ali encontraram um culpado: a miscigenação, a falta de cultura, educação precária e o clima tropical levariam à preguiça, à busca intensa pelo prazer, sem nenhuma outra preocupação com o desenvolvimento.


ABC sai na frente, faz opção pelo "cai-cai" e acaba cedendo empate ao Botafogo/PB

Edmo Sinedino,

goldobc_09O ABC cede o empate ao Botafogo/PB e somou apenas um ponto numa partida em que tudo caminhava bem para o seu lado. 1 a 1, placar final, o que não altera muito a situação de risco que vive o time natalense e ainda o faz correr perigo de terminar a rodada na lanterninha do grupo. 

A partida foi realizada neste sábado, no Almeidão, em João Pessoa. O Belo completa seu quinto jogo sem vitória, terceira partida em casa.

O primeiro tempo mostrou um ABC criativo, com jogadas de ataque sempre de muito perigo trabalhadas pela dupla Lohan e Jefinho, e chegada dos meias Dione e Anderson Rosa. Foram pelo menos três grandes oportunidades de marcar pelo alvinegro, Anderson Rosa duas vezes e Jefinho, uma. O Belo levou perigo num chute de longe em jogadas alçadas na área.

No segundo tempo, o ABC abriu o placar e logo sem seguida o atacante Jefinho teve a chance de fazer 2 a 0. Antes do gol de empate do Botafogo, pênalti claro cometido por Herivélton sobre  Wallyson (segundo opinião dos abcdistas), o árbitro não marcou. O técnico Roberto Fernandes começa a fazer mudanças que, para mim, considero equivocadas, tirando os jogadores de bom passe - Dione e Anderson Rosa - para a entrada de Anderson Pedra e mais um atacante.

Veio o empate do Botafogo e, a partir daí, o ABC começa a prática de um antijogo que quase lhe custa a derrota. Um cai-cai ridículo, um se livrar da bola, como se de repente a pelota queimasse nos pés dos alvinegros. A pressão do Belo foi intensa e quase chega ao segundo gol. Saulo fez grande defesa e atacantes do time da casa desperdiçaram.

Estranho, muito estrando que um time que está precisando da vitória, manda na partida, isso era visível, de repente passasse a fazer a opção por não mais fazer a bola andar. Final de partida, 1 a 1, péssimo placar para os dois, mas principalmente para o ABC que ver suas chances de permanência na Série C diminuindo a cada rodada.

Para complicar a situação do alvinegro, o Globo, que recebeu o Ferroviário, em casa, venceu de 2 a 0, gols de Negueba e Bambam

*Foto: Equipe de comunicação/ABC FC


Estádios da Copa investigados por suspeita de cartel...até parece

Edmo Sinedino,

Oito estádios de doze estádios que sediaram a Copa do Mundo de 2014, são alvo de um processo administrativo aberto pela Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Ecônomica (SG/Cade). A ação investigará um suposto cartel em licitações para obras de construção e reforma dos palcos do Mundial disputado no Brasil há cinco anos.

As exceções nas investigações foram Arena Pantanal, Arena Corinthians, Beira-Rio e Arena da Baixada

É claro que nossa Arena das Dunas está no meio. Arena que já passa por um processo investigatório a pedido do deputado Sandro Pimentel, do PSOL.

Será que alguém tem esperança de que essa, nova, investigação sobre as irregularidades na construção das arenas de copa possa dar em alguma coisa?  Ainda tem alguma pessoa sã que tenha fé na Justiça do Brasil?

Claro, se houver o envolvimento de políticos do PT, se nada for encontrado que ligue o povo do PSDD, e agora PSL, e todos os outros partidos de apoio ao que está posto, aí sim, certamente a pena vai ser dura.

E ainda existe o risco de que provas possam ser "arrumadas", direcionadas, pois a "Vaza a Jato" está aí sendo desmascarada e o sistema Globo fingindo que não vê e ainda requentando denúncias antigas do Palocci contra o PT. 

O mesmo jogo sujo que se repete desde o grande acordo, "com STF, com tudo" para tirar Dilma do Governo e colocar Lula na cadeia. O vale tudo de sempre.



Mais um tenso final de semana para o futebol do RN

Edmo Sinedino,

trabalho_09Todo final de semana agora é assim. Um desânimo total para escrever qualquer coisa a respeito do futebol do Rio Grande do Norte. Se não fosse a consideração que me tem os meus poucos leitores, confesso, me deitaria no sofá para ver os filmes da Netflix em meu celular. Vou dizer mais o que sobre ABC e Globo? O que poderia ter de novidade para falar, esperar, torcer...nos restar orar, e muito.

O retrospecto dos jogos do Globo em casa não é nada bom. São três empates. Pior ainda o retrospecto do Águia na competição, pois a equipe já está a sete rodadas sem vencer uma partida, com três empates no Barrettão e quatro derrotas nos jogos fora. A última vitória do clube potiguar aconteceu na quinta rodada, diante do Treze, em casa. Passou da hora de voltar a vencer.

Independente da colocação do Ferroviário, o time de Hígor César precisa entrar com o compromisso de vencer, e ponto, aliás, vencer todos os três compromissos que lhe restam em casa, pelo menos isso.

E o ABC. A situação é mais complicada ainda. Depois da sequência assustadora de nove jogos sem vitória, veio o consolo diante do Treze e, infelizmente, logo em seguida, mais uma derrota, desta vez para o fraco Confiança. Portanto, o que esperar? Sufoco, agonia, a não ser que o deuses do futebol resolvam se unir em favor do alvinegro potiguar.

O Botafogo, sexto colocado com 17 pontos, vem de quatro jogos sem triunfo. Também começa a ser pressionado, não acredito que mais que o nosso representante. É como eu disse no começo deste texto, final de semana de tensão para nosso pobre futebol que atravessa talvez a maior crise de sua história.

Dá para acreditar em vitórias de nossos representantes. Sinceramente? Não dá. O que a gente se agarra é a subjetividade do futebol e a certeza de que a diferença dos números de pontos, muitas vezes, não se reflete em campo, onde as equipes têm se mostrando quase num mesmo baixíssimo nível.

Esse Botafogo, que agora não está tão bem, até pouco tempo atrás disputou uma final de Copa do Nordeste em igualdade, quase, de condições diante do Fortaleza, time de Série A, e era, na minha opinião, uma das equipes candidatas sim ao topo da tabela desse grupo. Espero que não seja justamente neste sábado que ele volte a jogar tudo que pode.

*Foto: twitter do ABC


As dúvidas de Roberto Fernandes...continuam

Edmo Sinedino,

Pouca gente, talvez só Roberto Fernandes e seus auxiliares saibam o time que  vai  entrar em campo contra o Botafogo/PB, neste sábado, no Almeidão. Lateral e ataque, duas posições indefinidas, segundo o comandante.

Não vejo razões para tantos testes, pois acho que isso gera insegurança, insatisfação. Um dia treina um, no outro dia e outro. Escolhe o mais adequadro e define, fazendo com esse escolhido treine o mais tempo possível junto ao restante do grupo.

Com relação ao ataque, não vejo motivos para que Wallyson não comece jogando. Não esteja treinando, de forma intensa, ao lado de Jefinho, Dione e Anderson Rosa. Se não está 100%, acredito que mesmo assim é muito mais útil que a maioria.

O problema do ABC nem é peças. Acho que a equipe até dispõe de boas opções, agora, mas sim posicionamentos em campo, definição de quem faz o que, fechar os claros quando o time está sem a bola ou criar alternativas de jogo para os meias e atacantes.



Minha homenagem ao Horário Pedroza, o mestre dos plantões esportivos

Edmo Sinedino,

O contador e radialista Horácio Pedroza, ex-presidente da Associação dos Cronistas do Rio Grande do Norte (ACERN), faleceu nesta quinta-feira (18), aos 80 anos, no Hospital São Lucas.

Horário, mestre dos plantões esportivos, marcou época no rádio potiguar, se tornando uma referência nas notícias durantes as transmissões do futebol.

Minhas condolências ao amigo, também radialista, jornalista e músico Ciro Pedroza, filho de Horácio.

O velório está sendo realizado no Centro São José, na Rua São José, em Lagoa Seca. às 14h está marcado um culto e às 15h a saída do féretro para o cemitério Morada da Paz Zona Norte - Distrito Industrial de Extremoz.

O sepultament ocorre às 16h.



Flamengo e Palmeiras se despedem da Copa do Brasil

Edmo Sinedino,

Hoje o Grêmio conseguiu dobrar o Bahia na Fonte Nova, lotada, 1 a 0, com de Allison. Eu já falei de um potiguar no banco do Bahia, o garoto Edson, e do outro também tinha gente com RN no Rg. Ele, o Tonhão, agora rebatizado de Rodrigues.

 Pois é, longe da crise e do liseu que assombra o time do povo em Natal, o zagueirão de Arês coloca mais uma boa grana do "bicho" pela classificação ás semifinais da Copa do Brasil.

No outro confronto que começou mais cedo, o clássico de Minas, o Galo conseguiu marcar dois gols, mas o Cruzeiro segue, pois venceu a primeira partida por três gols. Um jogo intenso, de gol anulado do time azul e de uma disputa muito igual, com um  predomínio, compreensivo, pela necessidade, do Atético.

E nos jogos das 21h30? Pois é, como no futebol as projeções muitas vezes costumam desbancar especialistas, caíram, no mesmo dia, Palmeiras e Flamengo, considerados as duas melhores equipes do futebol do Brasil neste momento, e não deixam de ser por terem perdidos seus jogos de hoje, nas penalidades.

O Internacional venceu de 1 a 0 no tempo normal, empatou o jogo de 180 minutos, e venceu nos tiros livres diretos de 5 a 4. O Atlético Paranaense empatou no tempo normal, depois de estar perdendo de 1 a 0, e se saiu melhor na disputa de penaltis, 3 a 1. O Flamengo desperdiçou quase todas as cobranças.

Definidos os semifinalistas, Cruzeiro x Inter, Atlético Paranaense x Grêmio, falta a CBF marcar as datas dos confrontos. Os vencedores de hoje levaram para seus cofres a quantia de de R$ 6,7 milhão. Paulistas e cariocas fora da disputa, com a possibilidade de termos o Grenal na final.



Sobre a saída de Moisés

Edmo Sinedino,

Salários em atraso, insatisfação, falta de perspectiva ou uma proposta, um pré-acerto, para jogar fora do Brasil? Ninguém nunca vai saber a realidade da saída do meia Moisés da equope do ABC. O certo é que ele rescindiu contrato. 

O clube amarga mais um prejuízo, pois deve ter pago luvas, além dos gastos com salários, manutenção, hotel ou lugar de hospedagem do atleta, enfim, sem que ele tenha oferecido quase nada em troca. Foi importante para o time? Não foi, portanto...

O ABC não pode mais contratar, e nem deve. Já errou demais, lá se foram 35 contratações sem que se formasse, efetivamente, um time competitivo, até agora, espero que seja nessa reta final e Roberto Fernandes consiga evitar o rebaixamento.

Por falar em salários em atraso, segundo informações via twitter, o pessoal que trabalha com a base (sempre eles) estão, ainda, sem receber, apesar do que diz a direção.



Notícias sobre o Alecrim e possível parceria com um clube amador de Portugal

Edmo Sinedino,

Depois de muito tempo sem novidades, eis que meu companheiro de tevê Assembleia, o internacional Mállyk Nagib me traz notícia do Verdão. Falamos no Esporte em Pauta e eu repercuto aqui.

Uma reunião, ainda a ser marcada, entre os dirigentes verdes e portugueses do Águas Santas, de Portugal, para uma possibilidade de parceria. Esse foi o clube que Hugo Chacon, treinador confirmado do Alecrim na Série B, trabalhou nas terras do Além Mar.

O Grupo Desportivo de Águas Santas é um clube português localizado na freguesia de Águas Santas, concelho da Maia, distrito do Porto. O clube foi fundado em 8 de Fevereiro de 1975 Os seus jogos em casa são disputados no Campo do G.D. Águas Santas, com capaciadade para mil torcedores.

O Águas Santas é como se fosse assim uma equipe que disputasse campeonatos do interior, não seria nem mesmo segunda ou terceira divisão do futebol profissional português, só para constar.

Fonte: wikipedia



O dinheiro da venda de Tonhão amenizando a crise do ABC

Edmo Sinedino,

O ABC em crise. Criada, na verdade, por um bando de sacripanta que vive de atazanar e atrapalhar o futebol do RN. Tonhão foi o escolhido. Afastado, treinando em separado, fiquei preocupado com o futuro do jogador, melhor zagueiro que vi surgir nos últimos tempos em Natal.

Felizmente, dessa vez, o empresário foi protetor, e aconteceu, não por inteligência da direção do ABC que fez questão, parece, de desvalorizar seu atleta, deixando-o treinar em separado, ele foi negociado com o Grêmio.

E, para surpresa de um bando de babaca que nada sabe de futebol, Tonhão teve chance de jogar no Grêmio, um dos maiores clubes do Brasil. E foi muito bem. Elogiado em todos os jogos que participou. Mas, como sempre acontece, negociado por uma merreca.

Diria que, pelos erros da comissão técnica e diretoria, ainda conseguiu um bom dinheiro (acho pouco), R$ 1, 5 milhão divididos em seis parcelas de R4 250 mil. Uma merreca para um Grêmio, mas o dinheiro que vem, pelo menos, amenizando a crise interna do ABC.

Dizem, espero que seja a realidade, o ABC ainda detém 30% do passe deste atleta.

Se somados, o que o ABC já gastou com o "caminhão" de atletas contratados este ano daria para montar duas equipes fortes para uma disputa de Série B, acreditem. Nunca vi tantos erros repetidos.

Não por menos que, temos um clube grande na quarta divisão, outros dois correndo o risco de cair, e um centenário, ex-grande  (dói dizer isso) fora de divisão.



Edson, ex-Alecrim e Globo, na reserva do Bahia na partida da Copa do Brasil

Edmo Sinedino,

O Bahia perdeu, ficou fora da semifinal da Copa do Brasil, 1 a 0, Fonte Nova lotada, coisa do futebol. mas vale o registro de que o garto Edson, que apareceu jogando na segunda divisão pelo Alecrim, ficou no banco dos profissionais, com a camisa de número 35.

Edson, que ABC nem América viram, chegou a jogar no Globo durante o Estadual, e até na Série C, mas foi levado para o Bahia para disputar o Brasileiro Sub 23, e daí para o profissional.

Só para citar exemplos de bons jogadores mostrados, apontados, indicados, mas que as direções de nossos clubes preferem ignorar e montar as equipes com indicações de empresários milionários.



Mayk Van Van é jogador do Bahia e negociação ainda não foi esclarecida pela direção rubra

Edmo Sinedino,

Mayk Van Van, ala criado nas bases do América, titular do Sub 23 do Bahia, com atuações no time misto durante o Estadual, já é jogador do tricolor baiano. Foi publicado no BID da CBF o seu desligamento do clube rubro em forma de rescisão contratual.

Mais um jogador que poderia ter sido aproveitado no próprio clube, que precisou, e muito, de sua técnica durante essa Série D. A direção preferiu mandá-lo para jogar em Salvador e depois negociar.

Não sei de valores. Quanto custou ao Bahia, se o rubro de Natal já recebeu alguma coisa, se ainda tem percentual de futuras transações, enfim. As coisas nunca são claras nessas transações de jovens valores.

Assim como o Van Van, muitos outros devem estar na mesma situação. Negociados sem que a torcida, imprensa, público em geral tome conhecimento. Uma política que considerado equivocada, pois ainda acho que jogando aqui, no time profissional, se valorizariam muito mais.

Vamos esperar que a direção esclareça, quem sabe liste os jogadores que estão fora, em acertos com outros clubes do Brasil.



Halterofilista potiguar está entre os 10 melhores do mundo

Edmo Sinedino,

junior2_09Halterofilista potiguar está entre os 10 melhores do mundo

Júnior França, da Sadef, ainda quebrou o recorde das Américas, que já era dele

Não foi uma disputa fácil. Na categoria de Júnior França, eram 24 halterofilistas de várias partes do mundo em busca do título mundial, no Cazaquistão, país da Ásia Central. Mas o potiguar da Sadef (Sociedade Amigos do Deficiente Físico do RN) ainda deixou muitos adversários para trás e ficou na décima colocação. "Dei o meu melhor. Agora é ganhar força e consertar os erros", avalia Júnior.

“Esta foi a segunda vez que Júnior disputou o Campeonato Mundial, em apenas 4 anos de carreira. Além disso, integrou um seleto grupo de apenas 11 brasileiros convocados. Isso já é suficiente para deixar todo mundo orgulhoso”, comemora o presidente da Sadef, Tercio Tinoco. 

E mesmo não medalhando no Cazaquistão, Júnior voltou com uma conquista: quebrou o recorde das Américas, que já era dele. "Subi de 144 para 146kg, que é quase 3 vezes o meu próprio peso. Estou feliz e sigo confiante na corrida por uma vaga nos Jogos Paraolímpicos de Tóquio", diz o paratleta. Ele continua liderando os rankings brasileiro e das Américas. 

Além de Júnior França, outros três potiguares integraram a seleção brasileira na disputa do Mundial. Os técnicos da Sadef, Carlos Williams e Jeferson Rego, e o médico Rodrigo Braga.

junior23_09

Fotos: CPB (Comitê Paralímpico Brasileiro)



Paulo Henrique Ganso

Edmo Sinedino,

fluganso_09Defensor de Paulo Henrique Ganso. Ferrenho. Para mim, suas más atuações, parece coisa de torcedor passional, são provocadas por equívocos de treinadores ao posicioná-lo em campo , e ainda por problemas físico ou clínico.

Eu, treinador, escalaria Ganso em todas as seleções que convocasse, com a primazia dele vestir a camisa 10 e esperar, quantas partidas fossem necessárias até ele se encaixar e começar a mostrar seu exuberante futebol.

Pagaria ingresso somente para ver Ganso desfilar em campo os seus passes, enfiadas de bola, arremessos e tabelas. Torço pelo Fluminense porque Diniz está deixando Ganso jogar.

Paulo Henrique Ganso é o que me resta de Souza, Alex, Djalminha,  Rivaldo, Dicá, Zenon,  Pita, Gerson, Dirceu Lopes (que era talentoso e rápido) e Ademir da Guia.

Paulo Henrique Ganso é o representante maior da minha esperança de que o futebol do Brasil um dia possa voltar a ser um espetáculo para a diversão de uma gente.

*Foto:Twitter do Fluminense

1-20 de 9390