Rodriguinho é substituído, de novo, no comecinho do segundo tempo

Edmo Sinedino,

Os cegos do futebol do Brasil em ação.

Rodriguinho sacado de novo no início do segundo tempo, aos 15 minutos.

Parece um processo definido para ir tirando,aos poucos, a confiança do jogador.

Entrou Elias em seu lugar.

Momentos antes ele tinha dado um lindo passe de calcanhar para Giovanni Augusto, deixando-o na cara do gol.

O ex-abcdista chutou e o goleiro defendeu.

Um minuto na frente, Marquinhos Gabriel, mal na partida, perdeu a bola que proporcionou o gol do Figueira.

Rodriguinho foi quem saiu, mesmo sendo o jogador de criação mais lúcido.

Acho que a comissão técnica do Corinthians não deve ter um analista de rendimento.

Cristóvão Borges vai pôr a perder esse time do Corinthians.

A imprensa “especializada” falando sobre a partida, até parece que o Rodriguinho não esteve em campo.

Isso é impressionante.

E todos eles já falando em queda do Timão, mesmo estando, ainda, estava e permaneceu, na segunda colocação.

O Palmeiras perdeu para o Atlético/MG em casa e não disparou.

Grêmio, terceiro, mesma pontuação do Corinthians, e Santos, venceram seus jogos, acirrando a disputa.



Fausto Severiano: salvar o futsal é uma "operação de guerra"

Edmo Sinedino,

fausto2_09Critiquei dia desses a Federação Norte-rio-grandense de Futsal – FNFS.

Fausto Severiano é o nome do mandatário eleito pelo voto dos filiados. A disputa foi contra o Hidelbrando, sucessor de Clóvis Filho.

Conversei com Fausto. E ele começou a me mostrar a realidade da federação. Ele me ligou porque leu as críticas que fiz em meu blog.

Pode ser que a nova administração não “ressuscite” o futsal, como a gente quer e sonha, mas que as coisas estão diferentes, estão sim.

A entidade tem sede e funciona dois dias por semana para atender aos filiados.

Quem quiser saber informações pode se dirigir às terças e quintas-feiras, das 12 às 17, ao Centro Empresarial Emanoel Novais, sala 106, na confluência das ruas Lima e Silva com a São José, próximo à Promater.

Em atividade sim, Fausto informa que estão em andamento os campeonatos de base Sub-9, Sub-11, Sub-13 e Sub -15, com os jogos sendo realizados todas às terças-feiras, a partir das 14h, no ginásio Marcelo Carvalho – DED -, no alto da Candelária.

E já está definido para o dia 8 de agosto, o Congresso Técnico para a realização dos campeonatos Sub-17 e Sub-20.

O dia 25 de agosto é a  data marcada para que aconteça o Congresso Técnico do Estadual Feminino Sub-20 e adulto.

Sobre o novo presidente, quem jogou futsal a partir dos anos 80, provavelmente, vai se lembrar do Fausto.

Ele foi goleiro, e defendeu equipes tradicionais como a Galux, onde começou a jogar, se sagrou tricampeão juvenil, campeão adulto metropolitano e estadual; atuou na Aspetro, ABC, Riachuelo, AABB, Aspetro de volta e encerrou no Riachuelo de Mércio Lemos.

Sua disposição de ser presidente da FNFS, me disse, vem desde os tempos em que ainda era atleta.

Vendo todo esse abandono e descaso que vive o nosso esporte da bola pesada, certo dia, entre amigos da AABB, foi provocado para entrar na disputa. Entrou e venceu.

Encontrou a entidade um caos de organização. Nada de registros, de súmulas, inscrições, filiados e foi, aos poucos, ainda está, tentando colocar a casa em ordem.

Recuperar o futsal para Fausto passou a ser, como define, uma “operação de guerra.” E espera poder contar com todas as pessoas que têm os mesmos interesses que ele.

Deixou bem claro que gostaria, e disse que vai, conversar com treinadores, dirigentes, técnicos, os que quiserem dar sua parcela de contribuição ao esporte.

Sem duvidar da palavra do novo presidente, mas surgiu a chance, por isso conversei com o desportista Fabinho, da Liga de São Gonçalo, a mais organizada de nosso Estado, modelo de gestão, para que ele desse sua opinião sobre o novo momento que vive o futsal.

Fabinho esclareceu que votou em Hidelbrando, candidato derrotado, mas mesmo assim deu um testemunho em favor do trabalho que vem sendo realizado pela nova direção da FNFS.

Está na hora, acho eu, de ouvir e procurar ajudar. Essa deve ser a atitude de todos que querem ver o resgate deste esporte.

Acho eu que chegou a hora de união para salvar nosso futsal.

*Foto: esporteamadorrn.blogspot.com.br


O choro de Vaná, o choro de João Gabriel...

Edmo Sinedino,

vana1_09Um momento de muita emoção ao final da partida.

O sistema de som anunciou o fim do vínculo como o goleiro Vaná. Tristeza, pasmo, dos torcedores agradecidos.

Vaná, me fala Mállyk Nagib, já estava acertado com o Feirense, equipe tradicional, da primeira divisão de terras de Além-Mar.

Pois bem, Vaná pegou suas luvas, e emocionado, deu-as de presente ao garoto João Gabriel, o torcedor-símbolo do clube.

O garotinho caiu no choro, perguntou desesperado quando Vaná voltaria ao seu ABC. Todos caíram no choro, claor, e Vaná também.

Ah, o futebol. Momentos de tristeza e de beleza.

O amor, puro, de um garotinho que se veste de goleiro, que sonha em ser goleiro do seu ABC, e que vê seu ídolo indo embora.

Parabéns Vaná! Pelos seus dias no ABC, pelas suas defesas, por honrar a camisa do alvinegro, mas, acima de tudo, por suas lágrimas.

O nosso mecanizado e frio futebol em que o dinheiro comanda, acredite, ainda precisa de quem se importe.

Lamentei muito não ter ido ao clássico. Não pelo jogo, fraco, mas por ter perdido essa cena de despedida.

PS: peço desculpas ao torcedor-símbolo do ABC, pois só agora final da manhã deste domingo (11h40) grafei o seu nome, João Gabriel, corretamente. Havia escrito Felipe. Desculpem!

Foto: Frankie Marcone


Vaná deixa o ABC e vai jogar em Portugal

Edmo Sinedino,

avana_09A saída de Vaná foi anunciada pelo sistema de som do Frasqueirão logo após a partida. Que tristeza em dia de alegria.

Vaná, com seu jeito simples (tive o prazer de entrevistá-lo na tevê) conquistou o torcedor de duas maneiras.

Uma perda complicada.

Assim é o futebol.

Vaná veio do Coritiba, e para ser reserva, vejam só, afinal, o Copeti era a grande aposta da diretoria.

Vaná, no entanto, mereceu cada minuto que esteve como titular.

Boa sorte para ele.

*Foto: Frankie Marcone


Atuações: Jones Carioca foi o melhor jogador do clássico

Edmo Sinedino,

goldois_09Analiso, com nota as atuações dos jogadores do clássico ABC 1 x 0 América. Na minha ótica, um dos mais fracos que vi ultimamente.

Muito bom para o ABC, vice-líder provisória, mas garantido no G4.

ABC

Vaná – Quase não entrou no jogo. Fez um ou duas defesas, e sem nenhuma dificuldade. Não por menos mérito, mas por pouco aparecer não se destacou. Nota 7.

Filipi Souza – Não só pelo cruzamento do gol (errado, pois ele deveria ter passado a Erivélton que estava livre), mas pelo conjunto, o ala teve uma ótima atuação. Parece que cresce quando surge um zum-zum que ele pode sair do time. Nota 8.

Gustavo Bastos – Voltou bem, não cometeu falhas, mostrou raça e muita segurança. Nota 7.

Léo Fortunato – Pode não ter velocidade, como criticam alguns (mas eu pergunto: qual o zagueiro brasileiro, mesmo os de grande nível, que tem velocidade como qualidade? Poucos) mas foi perfeito na cobertura e ganhou todas as jogadas que disputou, por cima, por baixo e na sobra. Nota 7,5.

Alex Ruan – Muito bem no jogo. Se aproveitou do espaço que lhe foi dado e, ao lado de Jones, desceu sempre com muito perigo, inclusive fazendo arremessos e bons cruzamentos. Só precisa melhorar no quesito passagem, precisa aprender a ir mais até a linha de fundo. Nota 7,5.

Anderson Pedra – Marcou bem, cumpriu à risca a perseguição e diminuição do espaço do Tiago Potiguar. Nota 7.

Guedes – Apareceu muito na marcação, mas muito pouco como segundo volante, quando deveria ser opção. Mas fez sim um bom jogo. Nota 6,5.

Lúcio Flávio – Na única vez que esteve na frente desperdiçou a chance de abrir o placar perdendo boa chance. Se posicionou quase o jogo todo bem atrás, ao lado de Pedra. Na frente, somente nas bolas paradas. Atuação discreta. Nota 6.

Erivélton – Notadamente, nos últimos dois jogos, rendeu abaixo do que rende normalmente. E como o ABC sente. Mesmo assim participou bem até que sentiu e saiu machucado. Nota 6,5.

Jones Carioca (foto do gol) – O melhor jogador da partida. Não pelo gol, mas por tudo que fez em campo. Quase todas as boas jogadas de ataque do ABC nasceram dos seus pés, e ainda fazendo bem a volta para fechar o espaço pelo lado esquerdo ajudando o Ruan. Nota 8,5.

Nando – Centroavante vive de gols? Não só de gols. Nando fez, taticamente, uma boa atuação, prendendo zagueiros, abrindo espaços e sempre dificultando a vida dos defensores rubros. Nota 7,5.

Tiago Sala – Entrou no lugar de Léo e foi bem. Nota 6,5.

Fábio Gama – Entrou e nada acrescentou ao time alvinegro. Sem nota.

Márcio Passos – Sem ritmo, em duas jogadas, quase complica a defensiva. Sem nota.

América

Daniel – Não teve culpa no gol que tomou. E como Vaná, quase não foi chamado a intervir. No total, teve um trabalho maior e não cometeu falhas. Nota 7.

Danilo Báia – Participou bem do jogo, mas só até o meio-campo. Trocava de posição com o Macena, mas sem que o time ganhasse com isso. Nota 6.

Cléber – Muito alvoroçado, apressado, se livrando da bola, fazendo ligação direta, quase sempre com erros. Na marcação, altos e baixos. Nota 6.

Maracás – Não cometeu falhas, afinal foi um jogo muito truncado e de disputa no meio-campo. Nota 6.

Richardson – Pode se queimar se continuar a atuar improvisado. Não falhou na marcação, deu conta, como sempre, mas errou demais na saída de jogo. Nota 5.

Macena – Muito afobado, cometendo faltas desnecessárias e se livrando da bola. O meio-campo do América se ressente demais do passe. Nota 4.

Memo – É lento, demora com a bola e não compensa em qualidade de passe. Nota 3.

Tiago Potiguar – Quase todas as melhores jogadas saíram de seus pés. Mas ficou logo evidente que seria presa fácil de tanta gente do ABC enchendo o meio, já que o América não incomodava pelos lados. Teve com quem jogar no segundo tempo e todo o time melhorou, mas não o suficiente. Nota 7.

Alex Henrique – Apareceu muito pouco. Não entendi sua função em campo. Não caiu dos lados, não ajudou na criação e nem chegou na área. Perdeu um gol certo. Nota 3.

Reis – Completamente nulo enquanto esteve em campo. Sem nota.

Luís Eduardo – Não apareceu na partida e ainda perdeu um gol certo no finalzinho. Nota 2.

Artur Henrique – Entrou, começou mal, aéreo, mas daqui a pouco se tornou a melhor arma de ataque do América. Nota 6.

Ítalo Melo – No pouco tempo que esteve em campo fez muito mais que Reis e Alex Henrique. Nota 5.

Caaporã – Nada mostrou. Sem nota.

*Foto: Frankie Marcone


Taticamente, ganhou quem errou menos

Edmo Sinedino,

Nenhuma jogada de lado de campo. O “x” da questão. O motivo da derrota do América, não tenho dúvida.

Mesmo quando entrou Artur Henrique, que deveria ter começado, o time rubro continuou sem utilizar os lados do campo.

O direito, com Reis, sempre muito mal.

A estreia, discreta, do Danilo Báia, e  aquele lado de ataque não funcionou com ele e nem com o Macena.

Cada um fez um pouco o lado do campo na duplicidade da linha de quatro, que se quebrava muito.

Tiago Potiguar, muito marcado, e sem Raul, jogador inteligente, que usa bem os lados do campo, ficou órfão, sem jogadas.

Sobrava o quê? Nada.

Memo e Macena de nenhuma passagem. Por isso que o América só veio melhorar, um pouco, no segundo tempo.

Sinceramente, vou questionar Diá como o fiz com os outros treinadores. Será possível que tudo vai continuar como antes?

Ítalo Melo e Artur precisam ser titulares. Richardson não pode mais jogar de lateral.

Macena e Memo juntos? Prejuízo na certa. E isso fica tão evidente...

Diá precisa reiventar esse time do América.

E o ABC, como ganhou? Da forma mais conservadora possível. Apostou muito mais nos erros do time rubro do que em seus acertos.

Com Erivélton, notadamente, jogando no sacrifício, o time de "Seu" Eugênio se valeu de uma boa marcação de seus dois volantes.

E, como opção de ataque, das arrancadas de Jones Carioca e descidas de Filipi Souza, que fizeram um grande primeiro tempo.

Nando, atuando como pivô, prendendo a defesa, forçando muito o erro da defesa, também teve boa participação.

E foi simples assim. Sem grandes méritos, o preto e branco fez seu gol, criou mais algumas situações e só.

Ganhou, repito, muito mais aproveitando a fragilidade do adversário.

No clássico passado, com um a menos, o ABC havia jogado muito mais que neste sábado, e naquela oportunidade perdeu de 1 a 0.

São as coisas loucas do futebol.



Em jogo de pouco brilho, ABC bate o América e se segura no G4

Edmo Sinedino,

ogol1_09Em tempos de ameaça à paz e democracia, o futebol sofreu um golpe nesta noite de sábado no estádio Frasqueirão.

Um ABC x América daqueles de doer.

Quase jogada nenhuma, truncado, amarrado, com show de passes errados de lado a lado e pouquíssimas participações dos goleiros.

O América começou um pouco melhor, retinha mais a bola, marcava mais na frente, tirava o espaço do ABC.

Aos poucos, no entanto, pela absoluta falta de qualidade técnica de seus jogadores de frente – Reis, Luís Eduardo e Alex Henrique – a defesa e meio-campo do ABC foi se impondo e dificultando as ações do único jogador que poderia criar do lado rubro – Tiago Potiguar.

A partir daí, e depois do gol do Jones Carioca, Lúcio Flávio já havia perdido uma chance ótima minutos antes, em passedo próprio Jones, o América desandou de vez.

E a partida ficou nisso. Nessa aposta de quem errava menos. Uma ressalva. O ABC, com Filipi Souza, Alex Ruan e Jones Carioca, os três bem na partida, conseguia fazer algo produtivo.

O América, sem passagem de alas, sem quem segurasse a bola e ajudasse o Tiago Potiguar, aos poucos ia morrendo.

Ficava claro que, com Luís Eduardo, Reis e Rochardson, um zagueiro atuando improvisado na lateral, erro que se repete, se repete e se repete, o time rubro não chegava a lugar nenhum.

Fim do primeiro tempo em que o ABC acabou merecendo vencer de 1 a 0.

No segundo tempo, Diá volta com Artur Henrique no lugar de Reis. É claro que o time melhoria, pois passaria a ter uma jogada de lado de campo.

Mas ainda precisaria melhorar muito. Do lado oposto, com Danilo Báia ou Macena, fazendo primeira ou segunda linha, não saía do canto, não se tornava opção.

O Luís Eduardo, como se não bastasse, ao invés de abrir espaços, prender zagueiros, voltava pela meia direita provocando um congestionamento prejudicial.

O América, no entanto, pela entrada de Artur Henrique e também encolhimento do ABC, melhorava um pouco mais.

Nesse instante do jogo em bela deixada de Artur, Alex Henrique acertou a trave, perdendo a melhor chance do rubro.

E depois o time de Diá ainda ficou ainda mais criativo com a entrada do garoto Ítalo Melo (pelo que jogou merece, nesse time de poucos bons valores do América, ser titular sim).

Porém, aí começou um esquisito show de passes errados na saída de bola. Contei três passes errados do Richardson, simples, de três metros.

Esse tipo de erro devolveu, em alguns lances, o comando para o ABC, que quase marca o segundo gol.

O ABC já tinha Fábio Gama, no lugar de Erivélton, machucado, e perdia em objetividade. O meia canhoto, deslocado para a direita, demorava demais na concepção das jogadas.

O ABC, então, continuava dependendo de Jones, principal jogador da partida, e ele sempre descia com perigo.

O Nando, centroavante, apesar de não fazer gols, desempenhava um bom papel, segurando a defesa, fazendo pivô e abrindo espaços.

Lúcio Flávio, como sempre, em marcha lenta, ficava atrás da linha de meio-campo, iniciando jogadas, sem aparecer positivamente.

Como alvinegro ganhou, claro, evidente, vai ter quem diga que ele teve uma atuação de destaque, com posse de bola, passe certo e coisas repetitivas do gênero.

Geninho ainda fez entrar Márcio Passos no lugar de Guedes. E o América, apesar das boas jogadas, tentativas, é bem verdade, de Artur, Tiago e Ítalo, não conseguiu igualar no marcador.

Uma vitória super importante para o ABC. Uma derrota terrível para o América.

O alvinegro sobre à vice-liderança momentânea. O ABC pode ser superado por Botafogo – que enfrenta o Salgueiro, em casa - e ASA – que joga fora contra o Confiança – mas tem vaga garantida no G4.

O América permanece na sétima posição.

*Foto: Frankie Marcone


Alanni, filha do coronel Ricardo, enfermeira da seleção paralímpica

Edmo Sinedino,

alina1_09Nas fotos com os astros paralímpicos a enfermeira Alanni Costa, que é filha do coronel Ricardo Albuquerque, diretor de arbitragem da nossa FNF.

Nossa homenagem a Alany e, claro, ao pai coruja e super feliz.

Abaixo a lista de todos os convocados

Atletismo

Thalita Vitória

Guia - Felipe Silva

Basquete

Edjunior Bonfim (PE)

América Tigres - RN

Goalball

Romario Marques

Halterofilismo

Terezinha Santos

Tecnico - Carlos William

Judô

Abner Oliveira

Arthur Silva

Halyson Boto

Triatlo

Ana Raquel Lind

Natação

Cecília Araújo

Clodoaldo Silva

Edenia Garcia

Joana Neves

Rildene Firmino

Médicos

Roberto Vital

Hesojy Pereira V. Silva

Leonardo Mota

Rodrigo Braga

Fisioterapeuta

Adriano Faria

Enfermagem

Adeilton Dantas

Alanni Costa

Francisca Marques Silva

Isaac Rocha

Massagista

Wellington Cruz



Clássico pode sim significar a redenção de Lúcio Flávio

Edmo Sinedino,

lucio2_09O meia Lúcio Flávio falou sobre o clássico à imprensa e site do clube. Cada confronto de clubes rivais tem mesmo componentes diferentes.

Ele está certo.

No entanto, mais certo ainda está o torcedor em cobrar melhores atuações de seu capitão.

Em todos os lugares que se fala de ABC essa reclamação surge, não tem como não.

Alguns dizem que Lúcio Flávio atrasa o jogo, torna o ABC mais lento e que não corresponde ao que dizem os comentaristas.

O passe certo, quantos? Questiona o torcedor. Em qual partida o meia deixou alguém na cara do gol?

Estão certos sim. Está acontecendo muito mais o contrário.

Outra queixa da Frasqueira, sentida, é a falta de “sangue” do jogador e sua displicência e completa falta de combatividade.

Clássicos, Lúcio Flávio sabe bem, servem justamente para isso, para a redenção de um jogador.

Uma grande atuação contra o América certamente fará feliz a torcida e calará seus críticos.

E eu me coloco nesse time.

Cobro, critico, analiso, mas não torço e nem quero o mal de ninguém.

Veja o que ele Lúcio falou:

O clássico

“Cada clássico é um jogo diferente, com detalhes e situações bem diferentes do que passou. Não existe favorito e por isso é preciso uma atenção redobrada durante todo o jogo se quisermos sair com um resultado positivo. As duas equipes se conhecem bem, será o sexto clássico do ano e por tudo isso se espera uma partida equilibrada e bem disputada”, afirmou.

O diferencial

“Com todo o equilíbrio que se espera, o nosso diferencial é estar jogando em casa e com o apoio do nosso torcedor. Esperamos que aquele que torcedor que não está vindo possa comparecer para nos incentivar. Estamos convivendo com uma média de público de três mil torcedores e queremos muito mais. A torcida terá um papel muito importante fundamental na busca pela vitória”, encerrou.

*Foto: Frankie Marcone (jogadores comemoram com Lúcio Flávio seu primeiro gol).


As mesmas bobagens sobre o "camisa 10"

Edmo Sinedino,

tiago1_091Futebol de cegos.

Certamente devem seguir os conselhos de “comentadores”. A mesma balela do “10”. Torcedores do América dizem que o time não tem.

É cômico demais, ainda bem que não é trágico.

Os caras ainda falam no Elias. Pelo amor de Deus, o cara veio aí, enganou numa partida só e nada fez.

E de uma vez por todas, levantem a mão para o céu, deixem de escutar bobagens, agradeçam ter Tiago Potiguar no time.

Poucas equipes, mesmo na Série B, têm essa sorte.

Ridículos comentários. Um “10” não é só aquele jogador canhoto, falso lento que faz aqueles lançamentos que se usam mais.

Pouco espaço tem para um dez à moda antiga, e os que jogam são tão caros que não cabem no bolso de times da Série A.

Tiago Potiguar é um milagre ainda está em Natal...

Ele pode até não jogar nada no clássico, mas é hoje, de longe, o melhor camisa dez que vejo em ação na Série C.


O aproveitamento de Raul e Artur Henrique

Edmo Sinedino,

treino1_09Raul.

Não o classificaria como peça-chave, seria exagero, mas seria muito importante que o treinador Diá pudesse contar com esse jogador para o clássico.

O time rubro ficaria não com uma única, mas duas boas opções de jogadas pelos lados do campo.

Muito mais forte e com dois bons valores para dividir a atenção dos marcadores do ABC – ele e Artur Henrique.

Se Raul não jogar, acredito até que o Baia vá para o jogo, se regularizado. Talvez até integrando a segunda linha de quatro.

E no retorno mais imediato com o Felipe Macena fazendo essa recomposição.

De qualquer forma, mesmo sem ter visto o andamento dos treinos, acredito que o treinador Francisco Diá ganhou mais algumas opções na formaça do time.

Importante que jogadores como Diego Silva e Alex Henrique possam estar à disposição, e bem, além dos já citados Artur e Raul.

Relacionados

O técnico Francisco Diá relacionou 23 atletas para o confronto de sábado (23), contra o ABC, às 19h, no estádio Maria Lamas Farache, em partida válida pela 10ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Os únicos desfalques são os zagueiros Gustavo, que cumpre suspensão, e João Paulo, entregue ao Departamento Médico.

As novidades ficam por conta das presenças do lateral Danilo Baia, recém-chegado e que aguarda regularização, e do atacante Raul, que foi dúvida durante toda a semana e será reavaliado nesta sexta-feira (22).

Confira:

Goleiros: Daniel e Camilo;

Zagueiros: Cléber, Maracás, Richardson e Lucas Bahia;

Laterais: Everton, Danilo Baia, Gleidson e Arthur Henrique;

Volantes: Memo, Diego Silva, Felipe Macena e Pedro Ivo;

Meias: Alex Henrique e Ítalo Melo;

Atacantes: Thiago Potiguar, Reis, Luiz Eduardo, Raul, Romão, Caaporã e Brendo

Foto: Canindé Pereira/América FC



Reforma milionária

Edmo Sinedino,

mala1_09Apartamento de luxo é apartamento de luxo. Poucos têm essa primazia.

E quando esse ap passa por uma reforma que chega a quase meio milhão de reais?

É só o que se fala nos bastidores.

Uma perguntinha básica: quantas pessoas em Natal têm cacife para gastar tanto dinheiro de uma só vez?

Dizem até que os vizinhos, incomodados com o derrubar de paredes, foram liberados para dormir em hotéis da via costeira, tudo pago pelo decente milionário.

Qual será o “emprego” que possibilita o gasto de uma quantia tão vultosa?

Deve ser um grande empreendedor.

Só pode se tratar de um dono de empresas, grande latifundiário ou talvez investidor graúdo de bolsas de valores.

Na verdade, na verdade, muita coisa está precisando de reforma em nosso Estado.



Geninho x Diá: as últimas definições

Edmo Sinedino,

Último treino desta sexta-feira (22) deve servir para que Francisco Diá e Geninho tirem suas últimas dúvidas, ou conclusões, para definições das equipes.

A diferença é que Diá ainda testa melhores formações, enquanto Geninho observa quem tem melhor rendimento individual, penso.

Geninho escolhe entre Gustavo Bastos e Tiago Sala ou Nando/Caio Mancha.

Diá procura descobrir qual o sistema de jogo que pode ter um melhor desenvolvimento. E ainda espera por definições do DM.

Quer dizer, no caso do América, vai além do somente trocar de peças.

Artur Henrique, não tão somente como ala, mas como quarto homem de uma segunda linha de quatro, pode dar mais chegada de lado de campo.

Com Raul do lado oposto, certamente, teria ele um América mais forte. Sempre com o Tiago Potiguar no comando das jogadas de criação.

Um quebra-cabeça, sem dúvida.

Para os dois.

No ABC fica fácil de enxergar um time com uma linha de quatro, mas com alas que saem.

Uma segunda linha adiante com dois volantes – Pedra e Guedes – e Erivélton dando esse equilíbrio e opção de saída para o lado direito, liberando a passagem de Filipí Souza.

Lúcio Flávio centralizado, participando pouco, mas esse meio contando com Jones Carioca que, começa aberto do lado esquerdo, mas volta e arma jogadas de triangulação com o Alex Ruan e até com o próprio Lúcio.

O América não tem essa passagem rápida dos alas, mas compensa com a habilidade de arranque e condução, vertical, do Tiago Potiguar.

Arranque e velocidade de ligação que o ABC não tem com o seu camisa 10.

O América trem problemas pelos lados do campo. Richardson preso, Everton e Reis sempre apagados.

O ABC, ao contrário. E por isso, no somatório de opções, parece claramente que a vantagem é alvinegra.

O jeito é espera para saber, e ver, o que vai funcionar melhor. O conjunto do ABC ou velocidade e criatividade do Tiago.

Parece pouco para um time contar só com a criatividade de um meia em grande forma...

Como as maiores apostas do América são no seu 10 de Felipe Camarão, evidente, Geninho deve ter um cuidado especial de marcação.

Pelo seu lado, Diá terá dores de cabeças maiores para anular as duas jogadas fortes de Erivélton e Jones Carioca.



A sabedoria de Tite

Edmo Sinedino,

Duas afirmações interessantes de Tite, treinador da seleção, que batem exatamente com o que tenho escrito.

Primeiro a formação de um ataque da seleção olímpica com Gabigol, Gabriel Jesus e Neymar.

Isso sem que nenhum deles tenha posição fixa.

Eu até gostaria que tivéssemos um centroavante de nova geração para entrar como referência ou falsa referência, fazendo Neymar e Gabriel Jeseus alternarem suas vindas de trás.

A outra afirmação do Tite diz respeito ao astro Neymar. Ele, craque do Barcelona, precisa entender que não vai conseguir ganhar nada só.

E que esse também seja o entendimento de todo o grupo para que cada um faça sua parte e não esperem somente do ex-santista.

Vital essa observação do Tite. Que todo mundo possa assimilar. Basta que nos miremos no exemplo de Messi, na Argentina ou Cristiano Ronaldo, de Portugal.

Voltando no tempo: lembram do conjunto das seleões de 1970, 1982, ou das equipes do Santos de Pelé, Cruzeiro de Tostão e Flamengo de Zico.

Se fossem somente Pelé, Tostão e Zico, claro, eles não teriam ganho nada.



Procurador-geral pede suspensão dos pagamentos à Arena das Dunas

Edmo Sinedino,

O procurador-geral do Ministério de Contas, Luciano Ramos, emitiu nesta quarta-feira (20) parecer pedindo a concessão de medida cautelar pela suspensão dos pagamentos realizados pelo Governo do Estado em favor da empresa responsável pelo estádio Arena das Dunas.

O parecer se refere ao processo nº 2.813/2011 – TCE, que trata de fiscalização realizada sobre o processo de contratação, acompanhamento e controle dos atos referentes à parceria público-privada – PPP firmada entre o Estado, por meio do Departamento Estadual de Estradas e Rodagens – DER/RN, e a Arena das Dunas Concessão e Eventos S/A.

O procurador defende a concessão da medida cautelar em face da verificação dos fatos até aqui apurados, tendo em vista o potencial dano ao erário que, segundo ele, há de ser estancado com a determinação da suspensão dos pagamentos realizados pelo Governo do Estado à empresa responsável pelo estádio.

Segundo o parecer, da análise dos autos, observou-se que não houve o devido estudo de viabilidade econômica do contrato e, tampouco, as razões justificadoras para optar pela forma mais onerosa e prolongada de comprometimento de recursos públicos.

Além disso, justifica o parecer, verificaram-se inúmeras irregularidades que, por si só, são passíveis de justificar a nulidade do contrato, mas que, à baila do processo, são incontestavelmente aptas a justificar o pleito cautelar, em consonância e decorrência das irregularidades verificadas pelo corpo técnico.

“Em vista disso, este Ministério Público de Contas entende que o pedido cautelar ora apresentado quanto à suspensão do pagamento da parcela fixa é o mecanismo processual cabível para evitar o potencial dano ao patrimônio público, bem como desfazer o dano já delineado pelo sobrepreço até aqui demonstrado, uma vez que este processo terá uma tramitação demasiadamente longa, o que acarretará comprometimento de um montante ainda superior a ser desperdiçado pelo Estado do RN com a empresa concessionária”, diz o parecer.

VALORES

A suspensão dos pagamentos das contraprestações mensais pelo Estado já havia sido sugerida no relatório de auditoria realizada pela equipe técnica da Comissão de Acompanhamento e Fiscalização da Copa 2014 (CAFCOPA) do TCE. A equipe técnica detectou indícios de sobrepreço no contrato de concessão do estádio Arena das Dunas, o que poderá implicar em um dano ao erário no valor de R$ 451 milhões no período de 15 anos. Além disso, a auditoria imputou um dano ao erário efetivo de R$ 77 milhões, o qual teria ocorrido até abril deste ano.

Quanto à parcela fixa da contraprestação pecuniária paga pelo Estado do Rio Grande do Norte ao parceiro privado (85% dos pagamentos mensais totais atuais de R$ 12.953.218,73, no patamar atual de R$ 11.010.235,92), o parecer do MPC pede que seja deferida a cautelar de suspensão total do pagamento da parcela fixa até o julgamento final deste processo.

Já no que diz respeito à parcela variável (15% dos pagamentos mensais totais atuais de R$ 12.953.218,73, no patamar atual de R$ 1.942.982,81), o pedido é que seja deferida cautelar de suspensão do pagamento ao parceiro privado até apresentação das planilhas comprobatórias dos efetivos custos de manutenção e gerenciamento da Arena das Dunas.

Fonte: Assessoria de Imprensa do TCE/RN


Imprensa paraibana diz que América "roubou" Báia do Campinense

Edmo Sinedino,

O América realmente não vive um momento muito feliz.

Depois do disse que disse da saída, ou não, do meia Elias. Uma notícia sobre o ala Danilo Báia.

O rubro teria “surrupiado” o jogador do Campinense.

É o que diz a imprensa de Campina Grande.

Ainda bem que o presidente raposeiro nega o contato. Menos mal. Mas a imprensa já tinha até divulgado declaração do Báia falando sobre o time vice-campeão do Nordeste.

O Campinense é o adversário do Globo, no primeiro mata-mata pela Série D do Campeonato Brasileiro.



A frase de Coronel Veiga deve causar impacto em Zé Vanildo

Edmo Sinedino,

coronel2_09Estava postando homenagens ao Alecrim em outro blog que divido com Ribamar Cavalcante.

Homenagem aos 101 anos do Alecrim. Lembrança, claro, justa à família Veiga. Numa das imagens, publicadas no jornal O Poti, anos atrás, uma frase do Coronel João José Pinheiro da Veiga.

A frase, emblemática, hoje, sem dúvida, mais atual que nunca. E com o reforço, pois na época o coronel se referia à CBF, somente.

Hoje, com esse disparate, clubes em crise, futebol em baixa, negociatas em alta, ABC, América, Alecrim, Potiguar, Baraúnas, todos, sem exceção, terminam o ano no vermelho.

Devem, muitas vezes, quantias que não vão poder honrar.

Enquanto isso, a CBF, cada dia mais rica e poderosa. E A FNF, isso mesmo, a nossa Federação Norte-rio-grandense de Futebol no lucro.

Além do repasse dos patrocinadores, da tevê, porcentagem da renda de todos os jogos, José Vanildo ainda recebe valores repassados pela CBF.

Esses valores, pouca gente, pouca gente mesmo, sabe, de verdade, de quanto se trata a cada mês.

O que é feito para ajudar os clubes, para melhorar nosso Estadual, praças e esporte? Nada.

E o pior de tudo isso é que José Vanildo da Silva sequer presta contas.

Pois é: "enquanto a FNF lucra R$ 5 milhões, os clubes filiados ficam mais pobres, outros até desaparecem".

Essa seria mais adequada para hoje.


Botafogo/PB derruba o Ceará na Copa do Brasil

Edmo Sinedino,

Além da preocupação com o clássico de sábado, ABC e América têm sim mais coisas com o que se preocupar.

Coisas não, clubes. Botafogo da Paraíba e ASA de Arapiraca, além do sempre concorrente Fortaleza.

O Botafogo desbancou o Ceará na Copa do Brasil, e com seu time bem arrumado é, sem dúvida, candidatíssimo a uma das quatro vagas.

Já é a melhor campanha do time da estrela vermelha em sua história na Copa do Brasil.

Bicho papão? Não. Apenas um time bem arrumado, bem definido taticamente, com jogadores aplicados e de boa qualidade.

Dois deles passaram pelo ABC, Rodrigo Silva, centroavante, e Sapé, volante, esse que sequer foi notado.

Um excelente jogador.

Me lembro que Ademir Fonseca, cego de guia, não viu o talento desse menino na época.

O Bota eliminou o Vozão, que atualmente é o terceiro colocado da Série B, com apenas dois pontos atrás do líder Vasco.

É o nivelamento nunca antes visto no futebol do mundo.

E um resultado como esse, evidente, dá moral ao time na disputa da Série C, também.

Vi o jogo. O Ceará dominou, verdade, mas em contra-ataques bem armados, o Belo perdeu pelo menos duas chances claríssimas de matar.

Esse é o time. Guardem: Michel Alves, Angelo, Plínio, Marcelo Xavier e João Paulo, Djavan, Sapé, Pedro Castro e Marcinho, Rodrigo Silva e Danielzinho.



Éderson, ex-ABC, está de volta ao Brasil e vai jogar no Vasco

Edmo Sinedino,

ederson1_09Éderson, ex-ABC, artilheiro do Brasileirão de 2013, com 21 gols, é o novo reforço do Vasco para o restante da temporada.

O craque que defendeu o Kashiwa Reyson, do Japão, e também Al Wasl, dos Emirados Árabes, está de volta ao Brasil.

Vai ver foi saudade decisiva que fez o atleta deixar a segurança do estrangeiro para jogar no sempre problemático Vasco da Gama.

Sinceramente, não sei se jogar no futebol carioca, hoje, seja vantagem.

Éderson, atacante que sempre defendi quando jogava no ABC, e eu não entendia quanto ficava no banco de reservas, finalmente se destacou, ganhou vaga e se tornou nome nacional.

Contratado pelo Atlético/PR se tornou artilheiro do Brasileirão em 2013, quando foi negociado para o Japão por cerca de R$ dez milhões.

Pode ser que eu esteja enganado, mas tenho quase certeza que uma filhinha do atacante, assim como sua esposa, são natalenses.

Éderson se apresenta ao Vasco nesta quinta-feira (21).

*Foto: Tribuna do Norte/setembro de 2012


A situação do meia Elias ainda não está resolvida

Edmo Sinedino,

A diretoria do América dá mais uma prova, cabal, de sua total incapacidade de gestão. Essa situação do Elias seria cômica se não fosse trágica.

E certamente já deve ter advogado trabalhista esfregando as mãos projetando um lucro em cima do clube.

Elias criticou, em matéria do Globoesporte, o amadorismo da direção e disse que espera ver a sua situação resolvida.

Se o que ele disse procede, está posto um “abacaxi” para ser descascado, pois ele tem contrato até novembro.

Falei com o treinador Diá sobre o jogador, ele disse que escala jogador pelo que ele rende nos jogos e no treinamento.

O treinador disse que ele nunca apresentou futebol que o mantivesse como titular da equipe.


21-40 de 5635