Jovem arquiteta potiguar apresenta projeto para Museu da MPB na Cidade do Natal

Nicolau Frederico,

Meses atrás a professora e consultora em Gestão de Logística, Karla Motta, me indagou se poderia auxiliar sua filha, formanda em Arquitetura e Urbanismo, Rebecka Motta Meira Pires, na sua Tese de Conclusão de Curso (TCC) na UFRN. Fiquei intrigado, pois sou jornalista e não domino a área de Rebecka.

Qual minha surpresa quando se referiu ao meu “hobby” como apreciador e divulgador da MPB. A TCC de sua filha referia-se a um Museu para a Música Popular Brasileira na Cidade do Natal. De imediato, coloquei o meu acervo pessoal bibliográfico sobre MPB à sua disposição e fiz uma visita para uma conversa inicial. De lá mesmo, mantive um contato com o músico, compositor e produtor Roberto Menescal para recebe-las no Rio de Janeiro, onde passariam alguns dias.

O que resultou deste esforço e interesse da jovem arquiteta recém-formada você vai conhecer nesta entrevista exclusiva que ela gentilmente concedeu a este “Espaço MPB”.

Espaço MPB - Rebecka, quais as razões ou fatos que a levaram a escolher seu TCC com um tema envolvendo a MPB?
Rebecka - Acredito que posso dizer que a música sempre se fez presente em minha vida, desde a infância, com grande influência do meu pai George (Meira Pires), como também da minha mãe, Karla. Meu pai tocava alguns instrumentos e estávamos sempre ouvindo alguma canção, usualmente canções da MPB. Com a morte dele em 2004, um dos meios que tive de ter a presença dele em minha vida foi e é através da música. Acredito que a música é um excelente meio de comunicação e aproximação dos mais diversos tipos de pessoas, tempos e culturas.

Espaço MPB - Você tem algum conhecimento ou alguém a motivou a optar pela MPB? Toca algum instrumento? Faz ou gosta de desse apresentar? Onde? Quando? Porque? Isso lhe faz feliz?
Rebecka - O Brasil é mundialmente conhecido por sua diversidade cultural e creio que uma das grandes formas de representação dessa cultura seja a música, em especial a Música Popular Brasileira, que é fruto de uma grande mistura e influencias dadas através dos séculos. Sabemos que, inicialmente, o Brasil era habitado por índios e eles já tinham a sua cultura musical, fazendo uso, principalmente, de instrumentos de sopro e percussão. Mais a frente, com a chegada dos portugueses e início da colonização tivemos uma miscigenação que acabou por gerar também uma fusão nos instrumentos e na forma de cantar e fazer música.
 A música é uma forma divertida de contar e conhecer a história de um povo, de um tempo. Através dela podemos nos "teles transportar" para momentos, como por exemplo em 1960, com as canções de protesto. É essa capacidade, essa forma interativa do conhecimento que me encanta e que me motivou por escolher a MPB como tema central para o desenvolvimento do meu projeto de conclusão de curso.
 Não toco nenhum instrumento, até tentei aprender violão, mas não obtive muito sucesso. Porém, tenho o costume de cantar, principalmente em eventos da Igreja Católica, fato esse que me deixa muito feliz. Tenho alguns amigos que são cantores aqui em Natal e as vezes sou convidada para fazer algumas pequenas participações em seus shows.

Espaço MPB - Em síntese, o seu TCC tem alguma finalidade, além da acadêmica, ou fica restrito apenas ao seu TCC?
Rebecka - A princípio o projeto desenvolvido possui finalidade apenas acadêmica, porém creio que seria extremamente interessante para a população da cidade do Natal ter um ambiente onde pudesse conhecer não somente a história da música popular brasileira – desde 1500 até 2016 -  como também ter a possibilidade de aprender a tocar nos instrumentos base da MPB, além de oficinas de canto popular. Acredito que o povo precisa conhecer a sua cultura para aprender a amá-la e respeitá-la da maneira que ela merece. 
 
Espaço MPB
- Você pensa ou propõe algum projeto que possa ser útil à sociedade, à Natal, ao Rio Grande do Norte? Você acredita que seja viável? O que falta ou necessita para que ele se torne uma realidade, na sua opinião?
Rebecka - Acredito que a criação de um espaço dedicado a cultura e o conhecimento dela por meio do povo é de extrema importância, uma vez que permite que nós conheçamos a nossa origem, de onde viemos, através de que movimentos as coisas em nossa sociedade estão como estão.
Ter um ambiente como esses seria realmente um sonho, porém hoje em dia temos alguns espaços que poderiam ser destinados para esse tipo de atividades, como o Parque da Cidade, localizado no prolongamento da Avenida Prudente de Moraes, mas a população, creio eu, não compreende bem o que tal obra significa para a cidade. Além de um marco por tratar-se de uma obra assinada pelo preciosíssimo Oscar Niemeyer, ainda possui uma paisagem encantadora, com um belo pôr-do-sol, além de espaços que poderiam ser destinados a cultura e o lazer.
Sou contra ao pensamento de que não devem ser criados espaços para a apreciação da cultura porque “as pessoas não a valorizam”, acredito que dando um primeiro passo, promovendo atividades que chamem a atenção da população, vamos, mesmo que aos poucos, criando essa necessidade de conhecimento e contemplação.  
 
Espaço MPB -
Na elaboração de seu TCC, principalmente quanto à MPB, você chegou a pesquisar o assunto, visitou, conheceu "in loco", ou entrevistou algum museu ou memorial sobre algum artista, compositor, cantor ou músico de nossa MPB, até mesmo pela Internet?
Rebecka - Antes de mais nada, a cultura sempre foi vista por minha família como algo primordial para a vida, pois como diz o meu avô Álvaro “podem nos tirar tudo menos aquilo que aprendemos” e creio que essa é realmente uma grande verdade. Diante disso, meus pais sempre incentivaram visitas a museus e a marcos que fizeram parte da história, para que nos fosse inserido esse desejo pelo conhecimento através de uma forma diferente.
Tive a oportunidade de cursar um semestre da minha graduação em Arquitetura e Urbanismo na Universidad Europea de Madrid, onde pude conhecer vários museus e templos históricos que “abriram os meus olhos” para que eu pudesse enxergar o que era a cultura e a importância dela para a minha formação.
Contando também com o apoio da minha mãe, pude conhecer museus como: o Louvre, Guggenhein em Bilbao, Museu da Língua Portuguesa, MASP, Museu do Amanhã, Espaço Cultural Tom Jobim, dentre muitos outros, além de auxílio dado por livros e pesquisas na internet.

 
Espaço MPB - O que você pretende fazer com o seu TCC e seu projeto? Registrar apenas como um trabalho acadêmico? Divulgar na mídia local, regional e nacional? Propor sua edição em um livro, e-book, fazer palestras ou buscar patrocinadores para o projeto?
Rebecka - Acredito que o projeto do Museu seja algo realmente inovador pelo tema que ele aborda, além da inserção de tecnologias atuais, porém creio que o projeto ficará apenas como trabalho acadêmico com função de auxiliar todo aquele aluno de Arquitetura e Urbanismo sonhador, que busca criar um local para ser apreciado não somente por sua estética, mas também por sua funcionalidade.

Tags: Arquitetura e Urbanismo MPB Museu da MPB Natal Rebecka Motta Rio Grande do Norte Tese de Conclusão de Curso UFRN
A+ A-