Rio de Janeiro: 100 anos de carnaval

Nicolau Frederico,

Um dos maiores carnavalescos, jornalista, escritor, produtor cultural e ator brasileiro, Haroldo Costa, publica uma obra preciosa para quem gosta de participar, comentar e rememorar os dias de Momo, mais conhecido como Carnaval.

A Editora Irmãos Vitale, de São Paulo, especializada em música é a responsável pela edição. “100 anos de carnaval no Rio de Janeiro” foi editado em 2001 e ainda permanece atual.

Haroldo Costa

É o próprio autor que explica sua obra, quando diz “Uma coisa eu afirmo: só poderia ou poderá escrever a história do carnaval carioca quem for carnavalesco, quem gostar dos folguedos de Momo, quem envelhecer trepidando com sambas, correndo para ver passar na rua ou mesmo numa distante esquina, ou ainda para acompanhar, um bloco, um rancho, uma escola de samba.”

E continua o jornalista Haroldo Costa na introdução de seu livro, afirmando que “O carnaval carioca é uma das mais legitimas expressões da maneira brasileira de ser. Tanto assim que, escapando da esfera geográfica da nossa cidade, sua transformação deu-se de maneira inexorável, influenciando outras cidades e estados, criando uma temperatura que não tem nada a ver com a meteorológica mas, sim, com a pulsação interna e contaminação de difícil resistência.

Nas ruas, seu habitat natural, nos salões, nas praias, não há um só lugar onde o carnaval do Rio de Janeiro não se faça presente. Por ser um carnavalesco convicto sempre me interessei sobre as histórias sobre esta festa que é a maior catarse coletiva do país.
 
Nascido nas ruas, por obra e graça de boêmios e foliões anônimos impulsionados pelo incentivo alcoólico, o carnaval carioca encontrou seu destino nos batuques, nas cantigas improvisadas, na graça das mulheres e na transgressão que ficou sendo uma de suas marcas indeléveis
.”

Finalizando, Haroldo destaca que “O livro, para mim, é uma viagem muito interessante pelas várias fases pelas quais o carnaval vem passando, registrando o talento musical do povo, a criação de aparatos visuais, sejam fantasias ou carros alegóricos, sempre acrescentando inovações e variedades, tendo sempre o cuidado de não perder de vista as razões de sua existência que são a alegria espontânea do povo e a soma das nossas influências culturais.”

Na apresentação do livro, a Editora Irmãos Vitale comenta ainda que “Zé Pereira, corso, batalha de confete, banho de mar a fantasia, bailes, concursos de fantasia, blocos, escolas de samba. Tudo nos é mostrado pelo jornalista e historiador Haroldo Costa, de maneira clara e erudita, falando do que conhece e muito bem. O livro é fruto de um longo trabalho de pesquisa, no qual o autor se debruçou para compilar o que de mais importante ocorreu no carnaval carioca, desde os primórdios do Século XX até os dias de hoje.”

Conheça mais de perto a biografia, a obra e a história de vida deste grande brasileiro em nossa MPB, acessando aqui o link de seu Site oficial de Haroldo Costa

Fundada em São Paulo em 1923, a Editora Vitale se mantém nestes mais de 80 anos como uma grande parceira de alguns dos maiores nomes da nossa história musical. Em seu acervo, estão mais de 20.000 músicas, de um total de 9 mil autores ou herdeiros.

Criada pelos irmãos Emílio, Vicente, Affonso, José e João Vitale, hoje ela é administrada pela segunda geração da família através dos, também, irmãos Fernando, Sérgio, Luiz e Rubens, tanto na matriz de São Paulo como na filial do Rio de Janeiro, existente há mais de 50 anos.

Esta é a nossa dica para este Carnaval. Claro, se você não for brincar ....

Com informações da Editora Vitale e Dicionário Cravo Albin da MPB


Tags: Dicionário Cravo Albin da MPB MPB, Samba, Carnaval, Haroldo Costa, Editora Vitale, Rio de Janeiro, São Paulo
A+ A-