Conheça o sonambulismo em 20 perguntas

Mais comum em crianças, distúrbio do sono atinge entre 0,5% e 2,5% dos adultos e gera isenção de pena para quem cometer crimes enquanto dorme.

Isabela Santos,
Pessoas com doenças mentais ou que tenham o desenvolvimento mental incompleto não podem responder a crimes, de acordo com o artigo 26 do Código Penal Brasileiro. Assim, quem sofre de sonambulismo e comete um crime durante o sono pode usar o artifício ao seu favor. Esse distúrbio do sono é considerado uma doença pela Organização Mundial de Saúde, incluída entre os transtornos mentais e comportamentais segundo a Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde.

Conheça mais sobre esse distúrbio, que coloca em questão a sanidade mental daqueles que a possuem.

1. O que é o sonambulismo?
Trata-se de um distúrbio do sono, uma parassonia, onde o indivíduo pratica ações diversas dormindo, como andar, falar e mover objetos sem razão aparente.

2. Quem é suscetível a ter esse distúrbio?
É mais comum nas crianças acima de cinco anos, mas, em geral, o sonambulismo desaparece espontaneamente pelos 15 anos de idade. Quando subsiste na idade adulta, parece não manifestar preferência sexual.

3. Com que frequência esse transtorno atinge as pessoas?
Cerca de 30% de crianças saudáveis já apresentaram pelo menos um episódio de sonambulismo; 3% a 4% das crianças têm episódios repetidos. A incidência de episódios de sonambulismo em adultos varia de 0,5% a 2,5%.

4. Por que é mais frequente durante a infância?
A explicação para esta incidência infantil está no facto de as crianças "terem um sono mais profundo e uma maior capacidade de sincronização das ondas cerebrais, que conseguem trabalhar de forma simultâne

5. Quem fala dormindo é sonâmbulo?
Não necessariamente. É importante distinguir o sonambulismo do distúrbio comportamental do sono REM (Rapid Eye Movement), onde o indivíduo também fala e pratica ações, mas estas são sempre relacionadas aos sonhos. Neste caso, a pessoa perde atonia muscular, normal durante o sono; ou seja, ela realiza ações praticadas durante um sonho.

6. Como saber diferenciar os dois distúrbios?
O exame de polissonografia é capaz de distinguir os dois transtornos do sono, mas sabe-se que o sonâmbulo mantém os olhos abertos e aquele que tem o distúrbio comportamental do sono REM, fechados.

7. Como é feito esse exame?
A polissonografia é realizada em um laboratório de sono sob a supervisão de técnico ou enfermeiro treinado para este fim. O paciente dorme com sensores fixados no corpo que permitem o registro do sono. Os eletrodos são fixados de maneira a permitir ao paciente movimentar-se durante o exame, não atrapalhando assim o sono. É o método mais objetivo para a avaliação do sono e de suas variáveis fisiológicas.

8. Quanto tempo uma pessoa pode permanecer em estado de sonambulismo?
A duração dos episódios pode variar amplamente, entre alguns segundo e cerca de meia hora.

9. Quando acorda, o sonâmbulo lembra do que fez?
A pessoa não se lembra do que estava fazendo. Especialistas acreditam que antes de ser um esquecimento, trata-se de uma não-percepção do que se está fazendo.

10. O que fazer com alguém que está andando pela casa dormindo?
A iniciativa mais correta é conduzir o indivíduo à sua cama, para que retorne ao sono.

11. É verdade que não se pode acordar um sonâmbulo, sob risco de morte?
Este é um mito bastante popular. Mas não há problemas em acordar um sonâmbulo. O que pode ocorrer é que a pessoa acorde um pouco agitada se estiver sonhando algo que a irrite.

12. Por que é difícil acordar um sonâmbulo?
Porque o sonambulismo ocorre em estágios profundos do sono, chamados de sono de ondas lentas (SOL).

13. Em quanto tempo de sono começam as manifestações?
Os episódios de sonambulismo geralmente emergem 15 minutos a duas horas depois do início do sono, embora possam ocorrer em qualquer momento durante o sono em adultos.

14. O que causa sonambulismo?
A causa do sonambulismo ainda é desconhecida, mas alguns artigos apontam que nas crianças pode estar associado a certa fadiga, à falta de sono ou ansiedade; enquanto nos adultos, dá-se como razoável uma interferência do consumo de álcool e do stress. Alguns especialistas dizem ainda que esse distúrbio é hereditário.

15. Tenho um sonâmbulo em casa. Que cuidados devo tomar?
É importante não deixar objetos cortantes e pontiagudos à mostra; além disso, é recomendável trancar janelas e não deixar chaves nas portas para evitar acidentes.

16. O que um sonambulo deve fazer para ter melhor qualidade de vida?
Eles devem evitar dormir pouco, stress e ter horários fixos para dormir a acordar.

17. Existe tratamento?
O tratamento a base de medicação só é recomendado quando o sonambulismo prejudica o dia-a-dia da pessoa. Se os episódios de sonambulismo ocorrerem de quatro a cinco vezes por noite ou cinco vezes na mesma semana, o indivíduo pode apresentar sinais claros de sonolência, alternando o humor ao longo do dia.

18. Que medicamentos são usados no tratamento, quando necessário?
O tratamento noturno por longo prazo com um benzodiazepínico demonstrou ser seguro e notavelmente eficaz em adultos com sonambulismo, terrores do sono e outras parassonias; a incidência de efeitos colaterais e o mal uso ou abuso são baixos. Clonazepam, alprazolam, diazepam, cloridrato de imipramina e cloridrato de paroxetina também são utilizados.

19. Existem terapias alternativas?
O uso de técnicas de auto-hipnose pode ser eficaz em casos mais leves nos adultos e nas crianças. O sonambulismo e os terrores noturnos geralmente não são controlados com o tratamento de um distúrbio psiquiátrico que ocorra ao mesmo tempo.

20. Que outras doenças do sono são comuns?
A insônia (falta de sono), a apnéia do sono (insuficiência respiratória), a enurese (micção noturna) e o bruxismo (ranger de dentes).


O Nominuto.com consultou Revista Saúde; Guia do Bebê; www.conjur.com.br – Consultor Jurídico; Revista de Psicofisiologia, 1998 e o professor de Psicologia da Universidade Potiguar (UnP) e colunista do Nominuto, Álvaro Guedes.
A+ A-