Demolição do Machadão ocorre até final do ano

Obras do estádio Arena das Dunas continuam; Machadão e Machadinho ainda sem data oficial para cair.

Annapaula Freire,
Foto: Annapaula Freire
Charles Maia, diretor-presidente da SPE ao lado do secretário Demetrio Torres.
Mais uma vez, a data para a demolição do Estádio João Cláudio de Vasconcelos Machado (Machadão) e Ginásio Humberto Nesi (Machadinho) não foi definida. Governo Estadual e iniciativa privada revelaram, em visita ao canteiro de obras do estádio Arena das Dunas, nesta segunda-feira (12), um impasse: declararam prazos distintos para pôr abaixo os complexos esportivos.

O secretário Extraordinário para Assuntos da Copa, Demétrio Torres, afirma que os estádios vão ao chão ainda nesse setembro – no máximo, em outubro. Em agosto deste ano, o secretário, em outra visita, assegurou que a demolição começaria até setembro.

Enquanto o diretor-presidente da Sociedade de Propósito Específico (SPE) Arena das Dunas Concessão e Eventos S/A (ADCE), controlada pelo grupo OAS, Charles Maia, mais cauteloso, prefere não estipular data específica; afirma apenas que a demolição há de ser iniciada ainda este ano.

Todavia, segundo Demétrio, os estádios já começaram a ser desmontados.  Cadeiras, placar e estrutura metálica estão sendo removidas pelos funcionários da construção. “Garanto a vocês que se chegar em outubro e já tivermos retirado essa parte de metal da estrutura, começamos a demolição”, declarou. O Machadinho será o primeiro a cair. O método a ser adotado é o de demolição mecânica.

Alheias às discussões do Governo e do grupo empresarial, as obras continuam em um ritmo, exaltaram os gestores, frenético. Estima-se que 35% da terraplanagem já tenham sido concluídos. A expectativa é que em novembro comece o processo de fundação.

Seguido aos dois processos (terraplanagem e fundação), serão iniciados a instalação de pilares, das arquibancadas e da cobertura. Vale salientar que os processos acontecerão simultaneamente, mas não no mesmo perímetro. Uma máquina de usina de concreto encontra-se no canteiro para produzir o material necessário, e uma máquina perfuratriz para o início da fundação.

Para Demétrio, a concessão do financiamento pelo programa BNDES ProCopa Arenas de R$ 396,5 milhões - valor que equivale a 75% do custo total do projeto - ao grupo OAS consolidou o andamento das obras e “tira todas as dúvidas” sobre o futuro do estádio. De acordo com Demétrio, o custo total da obra é de R$400 milhões; o negócio (incluindo juros) vale R$550 milhões.

Foto: Annapaula Freire
"A data contratual para entrega é dezembro de 2013."
“A data contratual para entrega é dezembro de 2013. Com o tempo que a gente começou, dá pra terminar em dezembro de 2013”, afirmou o diretor da empresa Arena das Dunas. Nove órgãos de fiscalização acompanham os financiamentos e os rumos das obras. 

O material retirado dos dois estádios será todo reaproveitado para a construção do estacionamento com 1.800 vagas para o complexo esportivo Arena das Dunas. Atualmente, 200 funcionários da construção civil trabalham no canteiro, inclusive 15 engenheiros.

Depois de pronto, o estádio irá comportar 32 mil lugares fixos e 10 mil removíveis. A exigência da Fifa é de 40 mil lugares. O secretário extraordinário pretende realizar visitas periódicas, a cada três meses, ao canteiro de obras para demonstrar o andamento do projeto.
A+ A-