Médicos do RN não aderem à paralisação nacional

Associação Médica acredita que acordo será cumprido entre os médicos e planos de saúde.

Marília Rocha,
Os médicos de todo o Brasil irão promover na próxima quarta-feira (21) uma paralisação no atendimento aos planos de saúde em todo o país pela reivindicação do reajuste dos honorários. No Rio Grande do Norte, os médicos não irão aderir à paralisação nacional já que o acordo feito com os planos de saúde e “costurado” pelo Ministério Público está sendo cumprido.

De acordo com presidente da Associação Médica do Rio Grande do Norte, Álvaro Barros, os reajustes acordados no mês de abril entre a categoria médica e planos de saúde foram considerados “satisfatórios” pela categoria. “Depois da paralisação, fomos a Promotoria Pública da Defesa do Consumidor onde o promotor José Augusto Peres conversou com os planos de saúde e saímos de lá com uma negociação com a maioria dos planos”, argumenta.

Em todo o Brasil, a categoria reivindica o pagamento de R$ 60 para o valor médio de consulta que hoje custa R$ 30 aos planos de saúde e ainda um reajuste no índice de reajuste anual. Para os médicos, essa é a única maneira de pagar o valor "justo" do trabalho diário nos hospitais e clínicas.

Os planos de saúde que já negociaram de forma “satisfatória” são: Amil, Grupo Unidas que inclui as empresas estatais como Petrobras, Caurn, Cassi, Geap e ainda a Medmais e Hapvida. As empresas que ainda não negociaram o reajuste dos honorários são: Intemedicas, Golden Cross e Smile.

Mesmo assim, o presidente da Associação Médica lembra que os planos que não negociaram devem cumprir o acordado sob pena de prejudicar os “clientes” dos planos.

Unimed
Sobre o plano de saúde Unimed, o presidente da Associação disse que é um “caso a parte” mencionando a questão do congelamento dos salários e falta de reajuste e da insatisfação dos médicos cooperados em relação a condução do processo de melhorias salariais.
A+ A-