Brasília faz "lobby" por abertura da Copa-2014

Ricardo Teixeira saiu pela tangente ao ser indagado sobre o assunto.

Redação, com site da Copa-2014,
Foto: Divulgação
O pontapé inicial da modernização do Mané Garrincha para 2014 foi dado em Brasília, com a assinatura da ordem de serviço para as obras. E aproveitando a presença do presidente do COL (Comitê Organizador da Copa), Ricardo Teixeira, o governador do Distrito Federal aproveitou para fazer lobby para que a capital federal receba a cerimônia de abertura do evento.

"Esse estádio vai ter mais de 70 mil lugares e, obviamente, está apto do ponto de vista técnico. Não vou pedir isso para o senhor, presidente (Teixeira), que eu vou te constranger, mas deixa Brasília tecnicamente apta a sediar a abertura da Copa", disse Rogério Rosso.

Teixeira respondeu de forma protocolar: “Não há nenhuma definição da abertura, eu já disse isso. A decisão vai ser feita junto com a Fifa”, afirmou, em discurso que parece ter mudado desde a quarta-feira passada. Em evento com governador e prefeito de São Paulo, o presidente do COL afirmou que a capital paulista era a favorita da Fifa para os eventos de estreia, principalmente pela capacidade hoteleira da cidade. "Se Brasília é candidata, tem que enviar uma carta que será analisada pelo comitê e pela Fifa no momento oportuno", completou Teixeira, que também é presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Joga contra a escolha de São Paulo a indefinição de um estádio para a cidade. Cotado para a abertura, o Morumbi foi vetado pelo COL em junho e até agora não foi apresentado um substituto com capacidade acima de 65 mil lugares.

Além da capacidade do novo Mané Garrincha, que adota o nome provisório de Estádio Nacional, Rosso afirmou que a proximidade entre arena, setor hoteleiro, aeroporto e centro de mídia é mais um fator positivo para que a cidade receba a festa inaugural.

No entanto, o gestor da Copa em Brasília, Sérgio Graça, reconheceu o favoritismo paulista. "Se São Paulo fizer um estádio com 70 mil lugares, que atenda a todas as exigências e recomendações da Fifa, ninguém tira (a abertura) de São Paulo."

Custo


O contrato foi assinado com o Consórcio Brasília 2014, formado pelas construtoras Via Engenharia e Andrade Gutierrez, vencedoras da licitação. O custo das obras está orçado em R$ 692 milhões, o segundo maior entre os estádios da Copa. Perde apenas para a reforma do Maracanã, estimada em R$ 720 milhões.

O governo pretende inaugurar o estádio antes de 2013 para que Brasília recebe a Copa das Confederações, realizada no mês de julho. A expectativa é que a obra gere a criação de cinco mil empregos diretos e 1,5 mil indiretos.

Os trabalhos começaram há dois meses com o desmanche e demolição do Mané Garrincha. Esta fase foi executada pela Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap).
A+ A-