Padre Jocimar faz carnaval fora de época para comemorar sua eleição

Prefeito eleito pelo PMDB em Jardim do Seridó com 4.413 votos, Jocimar conhecerá Brasília e defende aliança com governadora.

Luana Ferreira ,
Luana Ferreira
Jocimar garante que seu secretariado terá católicos, evangélicos e outras religiões.
“Vai ser um carnaval fora de época em Jardim do Seridó”, comenta o padre Jocimar (PMDB), sem conseguir esconder o entusiasmo, a respeito da festa de comemoração que acontece próximo domingo, 19, na cidade que o elegeu prefeito com 4.413 votos. 

São esperadas dez mil pessoas, que devorarão 20 bois, doados por amigos e familiares do padre, para depois acompanhar um trio elétrico com as bandas Capilé e Ariaxé. A farra deve entrar pela madrugada.

Com apenas 31 anos, cabelo bem penteado em um topete, usando calça jeans, camisa listrada e óculos espelhados, Jocimar Dantas de Araújo em nada lembra um padre, a não ser pela aliança dourada que recebeu durante sua ordenação com a frase “Deus é minha alegria”, em latim, e pelo escapulário prateado. Traz no mesmo dedo outra aliança, feita de coco, como as usadas pelos seguidores da Teologia da Libertação, pela qual simpatiza, sem fazer parte. “É para simbolizar a minha união com o povo”, explica.

Entre a fé e a política, ainda há espaço pra outra paixão: a arte popular. Ele já conseguiu reunir um acervo de 500 peças, a maioria com motivos religiosos, que, segundo seus cálculos, o coloca em segundo lugar como colecionador do gênero no estado.

Jocimar será o quarto padre prefeito da história de Jardim do Seridó, e o primeiro eleito pelo povo. A logomarca de sua coligação (PMDB – PDT – PV), “Fé e esperança”, foi copiada da campanha do monsenhor e ex-governador Walfredo Gurgel. 

Segundo o padre, “esperança” significava a força do povo frente “aos poderosos”, encabeçados pelo prefeito e governadora, que esteve no palanque do adversário. “Eles chamavam a gente, por reunir várias minorias da cidade, de gentalha”, conta Jocimar, que resolveu responder com “todas as famílias do Seridó são de bem”. “Foi aí que eu cresci”, conta, vitorioso. A "fé" dispensa explicações.

Ele morava há pouco mais de dois anos em São José do Seridó, cidade vizinha a sua terra natal, onde cuidava da paróquia de São José, quando resolveu se lançar candidato. “Foram as pessoas mais simples que me chamaram”, diz ele, que mantinha um programa semanal de uma hora na rádio de Jardim do Seridó, chamado “A Hora da Família”, e se filiou a um partido pela primeira vez ano passado.

Antes disso morou por dez anos em seminários e se formou em história pela UFRN, filosofia pela Fafic de Cajazeiras (PB) e teologia pela PUC do Rio de Janeiro. Filho de agricultor e  professora, ambos católicos fervorosos, com vários parentes padres, Jocimar nega que tenha sido pressionado pela família, embora tenha estudado em colégio religioso e assumido a função de coroinha logo depois da primeira comunhão. Mas admite que a escolha nem sempre foi fácil. “O seminário é uma época de descoberta. Nesse período, houve questionamentos”, relembra.

E não é só na religião que a família de Jocimar se destaca. Seu pai, Joacir Costa, é vereador eleito mais votado de Jardim do Seridó e já foi presidente da Câmara em outra ocasião. Ao ser perguntado sobre o que fará depois dos quatro anos de mandato, respondeu apenas “sou um padre, um servo de Deus, um servidor do povo”, sugerindo que não deve parar em 2012.

Para voltar ao presente, Jocimar garante que seu secretariado terá católicos, evangélicos e possivelmente representante de outras religiões: “sou um padre ecumênico”. Articulado, diz que admira a governadora Wilma de Faria e que será seu aliado, mesmo que ela tenha apoiado o adversário, caso o PMDB mantenha o ritmo de aproximação com o PSB.

Quando o assunto é distribuição de camisinhas e outros métodos anticoncepcionais, condenados por sua religião mas que fazem parte das recomendações do Ministério da Saúde, ele também não se embaraça. "Não haverá problema algum. Estarei ali como político", explica, preferindo resguardar sua opinião enquanto religioso.

Antes mesmo de assumir em 2009, ele pretende viajar para Brasília para conhecer a cidade e aproveitar para captar recursos para a Saúde, sua bandeira de governo. Ele irá acompanhado do deputado estadual Nelter Queiroz, a quem chama de “padrinho político do padre” e deve encontrar o deputado federal Henrique Alves e o senador Garibaldi Alves, todos do PMDB.

Foi do presidente do Senado, aliás, que recebeu uma ligação durante a entrevista ao Nominuto.com. Garibaldi Alves queria se desculpar porque não poderia comparecer à “Festa da vitória”, já que se comprometera antes com um grupo de franciscanos. Coisas da política.

Como padre, Jocimar compreendeu. Como político, aproveitou para reivindicar ao senador, a quem ainda não conhece pessoalmente, recursos para a Saúde da sua cidade.
A+ A-