Polícia Federal vai investigar morte de caçador em Jandaíra

Delegado Daniel Madruga ouviu fiscais neste domingo (24). Dois deles estavam armados, mas nenhum se apresentou como autor do disparo que matou Emanoel Josian.

Fred Carvalho,
A Polícia Federal já assumiu as investigações sobre a morte do caçador Emanoel Josian Barbosa, assassinado em confronto com fiscais do Ibama na noite de sexta-feira (23), em Jandaíra. O delegado Daniel Madruga disse que ouviu os fiscais, mas nenhum deles se apresentou como sendo autor do disparo que vitimou o caçador.

“Já sabemos que quatro fiscais do Ibama participaram da ação na sexta-feira, inclusive adentrando no matagal. Mas só dois deles usavam armas. Como até o momento nenhum dos dois se apresentou como autor do disparo, vamos voltar a ouvi-los”, falou o delegado ao Nominuto.com. Daniel Madruga antecipou que poderá solicitar exames residuográficos nos fiscais do Ibama.

A polícia ainda não sabe se, após a identificação, o autor do assassinato será indiciado por homicídio doloso (quando há intenção de matar) ou culposo (sem a intenção). “O que posso afirmar no momento é que era noite e eles estavam no matagal fechado. Também ainda não consegui confirmar se houve um conflito entre as partes”, disse Daniel Madruga, que estava de plantão no final de semana na Superintendência da PF.

Emanoel Josian Barbosa, de 20 anos, morreu quando caçava arribaçãs – crime ambiental pelo fato de ave, que está ameaçada de extinção, ser protegida por lei federal. O crime foi cometido por volta das 19h30 no assentamento Boa Vista, na zona rural de Jandaíra. Emanoel Josian e um adolescente de 16 anos caçavam arribaçãs quando foram surpreendidos pelos fiscais na mata fechada.
A+ A-