Como escolher um dermatologista?

Leonardo Ribeiro,

O dermatologista, ou o médico especializado em Dermatologia, tem uma formação ampla e diversificada. Além dos anos de graduação em Medicina, ele cursa um período de residência ou especialização na área, e isto amplia o conhecimento específico no diagnóstico e tratamento das doenças e tratamentos da pele.

Além disso, somente os médicos especialistas podem solicitar o Registro de Qualificação de Especialista (RQE). Trata-se de um registro que comprova que ele se especializou em determinado assunto. Com o registro poderá identificar-se como um médico especialista na área.

Infelizmente, nem todos os profissionais que se anunciam como dermatologistas são, de fato, especialistas no tema. Existem cursos de pós-graduação lato sensu realizados aos finais de semana, com apenas 360 horas, ou seja, 4% do tempo de estudo do dermatologista. Esta modalidade é reconhecida pelo MEC (Ministério de Educação) para fins pedagógicos; mas não para formação de especialista.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) destaca em seus informativos aos médicos e à população que esses cursos de pós-graduação lato sensu, ainda que reconhecidos pelo MEC, têm somente valor acadêmico. Não podem ser usados para a atividade profissional e não habilitam o médico a anunciar-se como especialista. Médicos que não possuem RQE não podem se intitular especialistas.

Como escolher um profissional?

O acompanhamento médico de rotina é a melhor forma de manter a saúde e prevenir doenças. Por isso, a pele, maior órgão do corpo humano, não pode ser tratada de maneira superficial. Há intervenções que parecem procedimentos simples, mas podem causar danos permanentes se forem mal indicadas, ou realizadas por pessoas não capacitadas.

O diagnóstico preciso, precoce e correto de doenças e problemas de pele deve ser feito por Dermatologistas qualificados.  Profissionais estes que atuam em procedimentos de baixa complexidade – estéticos –, e de alta complexidade – tratamento do câncer da pele.

Existem diversos profissionais não médicos que podem atuar na área da estética, e que, às vezes, se confundem com dermatologistas. Utilizando denominações novas, algumas profissões geram dúvidas e reclamações quando há complicações em tratamentos.

Os esteticistas, por exemplo, se autodenominam “dermaticistas”; os fisioterapeutas são “dermato-funcionais” quando fazem especialização na área; e os biomédicos se intitulam “biomédicos estéticos”. Nenhum destes profissionais, mesmo certificados por seus conselhos de classe, é médico e muito menos dermatologista.

O risco de consultar profissionais autodenominados dermatologistas aumenta quando há complicações, que podem ocorrer em qualquer tratamento, mesmo que realizados por profissionais qualificados. Portanto fique atento! No site do CFM você pode conferir se o profissional é realmente médico, e se ele é ou não especialista em alguma área.

Tags: dermatologia pele saude sbdrn
A+ A-