Temer: prisão anunciada

Alexandre Cavalcanti,

A prisão do ex-presidente Michel Temer(MDB), hoje, quarta-feira, 21 de março, demorou quase três meses. O Brasil inteiro esperava que Temer fosse preso ao descer a rampa do Palácio do Planalto, no primeiro dia de 2019. São pelo menos nove processos de corrupção. Enquanto presidente, Michel Temer conseguiu abortar, na Câmara Federal, as ações do Ministério Público. Agora, sem a proteção do mandato presidencial, tornou-se uma presa fácil.

Com a prisão de Michel Temer, o Estado brasileiro guarda atrás das grades dois ex-presidentes da República. Luiz Inácio, o Lula, continua preso na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, e briga, no Supremo Tribunal Federal (STF), pelo relaxamento de sua prisão. Os dois são acusados de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.


Garibaldi e Agripino: o retorno

Alexandre Cavalcanti,

Os ex-senadores Garibaldi Alves Filho (MDB) e José Agripino Maia (DEM), acima de 70 anos, ainda, não amarraram as chuteiras e pretendem voltar à cena política. De olho na sucessão municipal do próximo ano, 2020, Garibaldi e Agripino começam a articular viagens ao interior para encontros partidários, convenções e conversas de bastidores. 

Garibaldi e Agripino têm algo em torno de 50 anos de estrada. Foram prefeito de Natal, duas vezes governador do Estado. Garibaldi teve também três mandatos de senador e quatro de deputado estadual. Agripino cumpriu quatro mandatos de senador. O currículo de ambos é de fazer inveja e não é fácil ficar assistindo a banda passar.

Em 2022, na sucessão estadual só estará em disputa uma cadeira de senador - a de Jean Paul Prates que assumiu na vaga de Fátima Bezerra (PT). Seria, segundo observadores políticos, a vaga de Garibaldi. Agripino seria candidato a deputado federal - agora prá valer.


Benes assume o PRB ainda este mês

Alexandre Cavalcanti,

Abrão Lincoln, suplente de deputado federal e comandante do PRB no Rio Grande do Norte, entrega, até o final de março, a presidência do partido para o deputado federal Benes Leocádio, eleito pelo PTC, nas eleições de 2018. A sucessão no PRB acontece sem traumas. Abrão acredita que a chegada de Benes irá fortalecer a agremiação com vistas a embates futuros.

Ontem mesmo, Abrão concluiu conversações com o vereador Dinarte Torres (PMB) e já anunciou o ingresso do vereador natalense em seu partido. Victor, filho de Abrão, não será candidato a vereador na Capital e abre espaços para Dinarte. Victor deverá ser candidato a deputado estadual, em 2022.



Natal aguarda um nome fora de grupos tradicionais

Alexandre Cavalcanti,

Expectativa de um nome novo, longe das oligarquias e de grupos tradicionais, tira o sono de políticos já rodados. O processo sucessório de Natal, principal reduto eleitoral do Estado, promete lances emocionantes. Candidaturas do MDB, PT e DEM não amedrontam mais ninguém. O fenômeno das eleições de 2018 - derrota de Garibaldi e Agripino, eleição de Styvenson Valentim, general Girão e Benes Leocádio - tende a se repetir agora em 2020.

Os nomes de Álvaro Dias(MDB), já prefeito e candidato à reeleição; de Fernando Mineiro(PT), derrotado para deputado federal; do deputado Hermano Morais, ainda no MDB, mas de partida para o PDT;  e ainda de Kelps Lima, do Solidariedade, parecem não despertar o interesse do eleitorado da Capital.

É o ambiente ideal para um novo nome, ainda não testado nas urnas. Dentro do quadro político atual, o capital Styvenson Valentim, eleito o senador mais votado do Estado, é uma peça importante em qualquer eleição daqui pra frente.



Fábio Dantas questiona números do Governo

Alexandre Cavalcanti,

O ex-vice-governador Fábio Dantas (Solidariedade) postou em suas redes sociais um vídeo questionando, mais uma vez, as contas do governo do Estado e cobrando explicações da governadora Fátima Bezerra (PT)

Fábio fiz que entrou no portal da transparência e se surpreendeu com os números que estavam lá. Pelos números do portal, o governo do Estado tem um saldo em suas contas de quase 1 bilhão e 500 milhões de reais.

Ainda, segundo Fábio Dantas, não são esses os números apresentadoss pela governadora Fátima, especialmente, quando da reunião com os presidentes da Assembléia e do Tribunal de Justiça 


Começam as articulações para prefeito de Natal

Alexandre Cavalcanti,
Assessorias
Álvaro Dias do MDB, Hermano Morais também do MDB, Mineiro do PT e Kelps Lima do Solidariedade.

Já começaram as articulações para a sucessão municipal de Natal. Quatro partidos, - MDB, PT, PDT e Solidariedade -, estão de olho nas urnas da Capital, principal colégio eleitoral do Rio Grande do Norte. Álvaro Dias, do MDB, tem direito à reeleição e tenta consolidar sua candidatura nas ruas. Internamente, o MDB não aceita sequer discutir o assunto: "É Álvaro e pronto".

O ex-prefeito Carlos Eduardo (PDT) é inelegível, em Natal, nas próximas eleições. Com a autoridade de quem botou mais 80 mil votos de maioria sobre Fátima Bezerra (PT), na Capital, em 2018, Carlos tenta atrair para o seu partido o deputado Hermano Morais (MDB). O deputado já chegaria ao PDT com pose de candidato a prefeito.

O PT não abre mão de ter um nome competitivo para de disputar a prefeitura de Natal, sonho de consumo do Partido dos Trabalhadores. O principal nome é o do ex-deputado Fernando Mineiro, primeiro suplente de deputado federal. A deputada Natália Bonavides está atenta a todos os movimentos.

E ainda tem o Solidariedade, do deputado estadual Kelps Lima. Os planos A, B e C do Solidariedade passam pela candidatura de Kelps. Tudo o que pensa, diz e faz tem como pano de fundo a sua candidatura a prefeito de Natal. A coordenação do projeto estadual do partido e as candidaturas no interior, ficam sob a responsabilidade do ex-vice-governador Fábio Dantas, seu mais novo aliado.


Benes Leocádio: " O Congresso deve aperfeiçoar a reforma"

Alexandre Cavalcanti,

O deputado federal Benes Leocádio (PRB) prestou, agora há pouco, alguns esclarecimentos à coluna Pinga Fogo e afirmou não ser contra a Nova Previdência. Benes disse esperar que o Congresso Nacional melhore o texto do Executivo, especialmente, no que diz respeito a aposentadoria do pessoal do magistério e do trabalhador rural e, ainda, na parte que fala sobre o Benefício de Proteção Continuada - BPC.

Em seu primeiro mandato de deputado federal, com quase 130 mil votos, - o mais votado só Estado -, Benes não fez comentários sobre o veto ao seu nome para coordenador da bancada federal do Rio Grande do Norte, depois de uma eleição em que derrotou o deputado Beto Rosado pelo escore de 6 a 5.

Para Benes Leocádio, o Congresso Nacional tem uma grande contribuição a oferecer para o crescimento econômico do País. "Precisamos reduzir as desigualdades sociais através da geração de emprego e renda", disse o deputado.



O troco de Benes Leocádio

Alexandre Cavalcanti,

O deputado federal Benes Leocádio resolveu não aceitar calado o veto ao seu nome para coordenador da bancada potiguar em Brasília. O troco veio rápido: na primeira oportunidade, Benes já se posicionou contra a reforma da Previdência - o que o coloca distante do presidente Bolsonaro e, ainda, mais perto da governadora Fátima Bezerra (PT).

Benes chegou a ser escolhido coordenador da bancada, numa eleição muito apertada: 6 a 5 sobre o deputado Beto Rosado. No momento seguinte, um movimento bancado pelo deputado general Girão o desalojou da coordenação. Foi uma espécie de golpe. Para o lugar de Benes, depois de muitas rodadas de negociação, o escolhido foi o deputado Rafael Motta.

Agora, parece que Benes resolveu atirar de volta num recado direto ao general Girão. A reforma da Previdência, ou a Nova Previdência - como está sendo chamada - pode marcar positivamente o governo Bolsonaro. Sua aprovação, entretanto, não é tão fácil. Precisa de quorum qualificado e duas votações na Câmara e no Senado.



Morre o diácono João Evangelista

Alexandre Cavalcanti,

alexandre-mSão Gonçalo do Amarante perdeu uma de suas figuras mais queridas. Morreu ontem, o meu amigo diácono João Evangelista.

O velório acontece, agora pela manhã, na matriz da sede do Município e, à tarde, na Igreja de Santo Antônio, comunidade em que residia.

O sepultamento será às 16 horas, no cemitério público de Santo Antônio.


Candidato a vereador cobra portaria do Prefeito

Alexandre Cavalcanti,

chapao-mEm meio a um verdadeiro festival de nomeações, - suplente de deputado Estadual, Jacó Jácome, para o Demutran; Ricardo Antônio P. Dias, irmão da ex-prefeito Marília Dias, de Macaíba, para diretor do SAAE, e outras lideranças políticas de diferentes municípios -, um saogonçalense da comunidade de Poço de Pedras, resolveu fazer, via redes sociais, uma cobrança inusitada ao prefeito Paulo Emídio (PR), de São Gonçalo do Amarante.

Candidato a vereador, nas eleições de 2016, Chapão, ainda, esperava por sua nomeação, um compromisso, segundo ele, do então candidato a prefeito, Paulinho da Habitação. O desespero veio com o que chamou de festival de nomeações com salários milionários, - entre 8 e 14 mil reais. 


Confira o vídeo:


Zenaide exagerou nos gastos e não produziu nada

Alexandre Cavalcanti,

O Portal da Transferência do Senado Federal mostrou que a senadora Zenaide Maia Calado foi a representante do Rio Grande do Norte que mais gastou no primeiro mês de mandato. Zenaide foi, também, a senadora que menos produziu. Gastou 10.555,34 reais e não apresentou sequer um requerimento.

Já o senador Styvenson Valentim, que assumiu no mesmo dia de Zenaide, não gastou um só centavo de verba indenizatória, mas apresentou sete proposições entre projetos e requerimentos.

Na Câmara Federal, Fábio Faria e Walter Alves foram os que mais gastaram, seguidos de Beto Rosado e Rafael Motta. Os novatos gastaram um pouco menos. Em produtividade, Rafael Motta ficou em primeiro lugar.


O que farão Fátima e Bolsonaro?

Alexandre Cavalcanti,

O fim da folia decreta, também, o fim da lua de mel dos nossos governantes com o poder. Fátima Bezerra (PT), aqui, e Jair Bolsonaro, no Brasil, um universo bem mais complexo, terão que ter as respostas que a sociedade espera. Em fim, eles prometeram transformar as nossas vidas em um mar de rosas. Tudo antes estava errado. E agora?

A governadora Fátima não tem outra saída: ou enxuga a folha de pagamento, corta privilégios e privatiza o que tem de privatizar, ou vamos continuar com o mesmo mimimi e o mesmo discurso petista de "nunca na história desse país".

Em Brasília, o nosso Jair Messias Bolsonaro terá, urgentemente, que segurar as rédeas da filharada e, ainda, encontrar um meio de dialogar com o Congresso, - Câmara e Senado. Caso contrário, não aprova a reforma da Previdência. E aí a vaca vai pro brejo.

Agora é pra valer. Conversa fiada foi quem fechou a Cova da Onça - um bar que existia antigamente em Natal. A população exige resultado já.


Agripino não aparece nas delações da OAS

Alexandre Cavalcanti,

O senador José Agripino Maia terminou pagando uma conta alta. Transformado em réu pelo Supremo Tribunal Federal, que acatou denúncia do Ministério Público, Agripino não apareceu nas delações de executivos da OAS, confirmando o que ele já havia antecipado.

Cabe a pergunta: quem vai pagar essa conta toda? Afinal, o senador José Agripino teve sua vida virada do avesso, viu ser jogado na lata do lixo quase 50 anos de vida pública e, ainda, foi derrotado para deputado federal nas últimas eleições.


Cabral era viciado em poder e em dinheiro

Alexandre Cavalcanti,

Depois do ex-governador Sérgio Cabral, preso em decorrência da Operação Lava Jato, há expectativa de que o ex-presidente Lula, também, reconheça que errou. Cabral disse ao juiz Marcelo Bretas, no Rio de Janeiro, que mesmo preso não acreditava na Lava Jato e que a qualquer momento daria "um jeitinho".

Cabral disse ainda que a ganância pelo poder e pelo dinheiro era um vício. Depois de preso e de várias condenações, "e vendo o sofrimento da esposa e dos filhos", o ex-governador resolveu falar a verdade. Chegou, inclusive, a pedir desculpas ao juiz Marcelo Bretas por agressões anteriores.


Terror em Novo Santo Antônio

Alexandre Cavalcanti,

Não é de hoje que a bandidagem espalha o terror na comunidade do Novo Santo Antônio, no bairro Santo Antônio do Potengi, município de São Gonçalo do Amarante. Assassinatos, arrastões, roubos e furtos em residências são uma constante, segundo a população local.

Nos últimos seis/oito anos, o município de São Gonçalo do Amarante se transformou em uma área das mais violentas do Estado. Quando os crimes não são praticados no território, os bandidos fazem a desova em terrenos baldios.

Em meio a toda essa onda de crime, as autoridades locais dizem que não têm responsabilidade com a segurança pública. " Essa é uma questão que diz respeito ao governo do Estado", afirmam categoricamente.

E assim a comunidade vai tocando a vida: o governo do Municipio se omite de um lado, o governo do Estado, do outro lado, não assume sua responsabilidade constitucional e a população é quem sofre as consequências. Ou seja, é quem paga o pato.


Mais uma nomeação em São Gonçalo

Alexandre Cavalcanti,

Depois da nomeação do primeiro suplente de deputado estadual, Jacó Jácome(PSD), para diretor do Departamento Municipal de Trânsito, de São Gonçalo do Amarante, o Jornal Oficial de São Gonçalo trouxe mais uma nomeação de peso: Ciro Jaime, filho do ex-prefeito Jaime Calado(PMB), atual secretário Estadual de Desenvolvimento Econômico. Todos com salários acima de 10 mil reais, beirando os 14.

Nos dois casos, há motivação política. Primeiro, o suplente Jacó Jácome abre uma enorme janela para a primeira dama do município, Terezinha Maia, assumir uma cadeira na Assembléia Legislativa. No caso específico, Terezinha passa da segunda para a primeira suplência.

Quanto a Ciro Jaime, nomeado secretário Municipal Extraordinário, o prefeito Paulo Emídio (PR) atende a um pedido do pai Jaime Calado. Paulo Emídio sabe que o seu projeto de reeleição está nas mãos de Jaime Calado e da senadora Zenaide Maia Calado.

Paulo Emídio desconfia que já não é o preferido da família Calado, principalmente, no que diz respeito ao lado feminino: Zenaide e Mada Calado, mãe e filha, não aceitam mais o que consideram ter sido um erro político: a candidatura de Paulinho.


Poderes esperam reciprocidade do Executivo

Alexandre Cavalcanti,

Paciência tem limite. Até quando irá a lua de mel dos outros poderes - Judiciário e Legislativo - com o Executivo, representado pela governadora Fátima Bezerra (PT). Até agora, tanto a Assembléia, quanto o Tribunal de Justiça, estão dispostos a contribuir com o processo de ajuste fiscal.

Nos bastidores, entretanto, esses poderes esperam reciprocidade do Executivo. E até o momento, não houve nenhum aceno nesse sentido. A governadora encerrou as atividades de uma secretaria e criou duas. Também, até agora, nenhuma palavra sobre privatizações.

Tribunal de Justiça, Assembléia Legislativa,. Ministério Público e Tribunal de Contas entendem que esse é o momento de propostas que mudem o rumo da administração. Fátima tem apoio popular e há um ambiente favorável na Assembléia. Faltam iniciativas.




Previdência: Quem ganha mais vai pagar mais

Alexandre Cavalcanti,

Secretário Especial da Previdência e do Trabalho, o ex-deputado Rogério Marinho(PSDB-RN), acredita que a reforma da Previdência estará aprovada, ainda, neste primeiro semestre. Não será uma tarefa fácil, mas Rogério disse nunca ter visto um ambiente tão favorável.

Marinho foi o entrevistado desta semana do Canal Livre, da TV Bandeirantes. O programa foi reapresentada na madrugada desta segunda-feira e serviu para o secretário esclarecer os pontos mais criticados: diferença entre o trabalhador do campo e o da cidade; idade mínima e tempo de transição.

Rogério Marinho disse que são mentirosas as informações de que a Nova Previdência pune as camadas mais pobres. "Pelo contrário, estamos convocando quem recebe mais a ter uma participação maior. Ou seja: quem ganha mais vai pagar mais". 


Governadora teme sindicatos e está longe de uma solução

Alexandre Cavalcanti,

A governadora Fátima Bezerra (PT) teme enfrentar os sindicatos, base eleitoral de sua vitoriosa carreira política, e joga responsabilidade do ajuste fiscal para o Tribunal de Justiça e Assembléia Legislativa, principalmente. Onde Fátima estaria fazendo economia? Até agora em canto nenhum, muito pelo contrário.

Não há milagre, ou faz o que tem de fazer, - cortar na própria carne -, ou, a exemplo do seu antecessor, vai passar os quatro anos gerenciando a folha de pagamento, sujeita, também, a atrasos.

A solução está nas privatizações da Caern, UERN, especialmente, e mais a Potigás. Mas a governadora não tem coragem de enfrentar o corporativismo dessas estruturas.

Financiamentos, empréstimos, antecipações de receita não resolvem nada. Pelo contrário, lá na frente, não tem jeito, alguém tem que pagar a conta.


Prefeito limpa a área e coloca Terezinha na cara do gol

Alexandre Cavalcanti,

Numa manobra política, o prefeito Paulo Emídio Medeiros (PR), de São Gonçalo do Amarante, deixou a primeira dama Terezinha Maia(PR), segunda suplente de deputada Estadual, na cara do gol. O Jornal Oficial do Município publicou, em sua edição do dia 20 último, a nomeação de Jacó Jácome(PSD), primeiro suplente da mesma coligação, para diretor do Demutran - Departamento Municipal de Trânsito.

Agora, cabe a governadora Fátima Bezerra (PT) encontrar um deputado da coligação PSD/PSDB/PR/PRÓS/PSB, para assumir uma secretaria de Estado. Esse conjunto de partidos elegeu nove(9) deputados: Ezequiel Ferreira, Gustavo Fernandes, Raimundo Fernandes, Tomba Faria, José Dias, Vivaldo Costa, Galeno Torquato, Albert Dickson e George Soares.

De qualquer maneira Paulinho fez a sua parte e jogou a responsabilidade pra cima da governadora. Nas eleições de 2016, Jacó Jácome conquistou 26.864 votos contra 26.849, de Terezinha. Por apenas 15 votos, Jacó ficou na primeira suplência.

Em nota aos blogs locais que comemoraram a solução, o prefeito Paulo Emídio disse que uma coisa não tem nada a ver com a outra e que encontrou em Jacó Jácome a solução perfeita para resolver questões legais do trânsito, em São Gonçalo do Amarante.

1-20 de 1256